Jaraguá do Sul 147 anos: conheça casarões históricos do município

Foto: Eduardo Montecino

Por: Maria Luiza Venturelli

25/07/2023 - 11:07

Jaraguá do Sul tem vários imóveis tombados como patrimônio histórico e cultural da cidade, inclusive alguns famosos casarões que podem ser vistos ao circularmos pelas ruas. Embarque em uma verdadeira viagem histórica pelo município e conheça algumas das principais casas reconhecidas por jaraguaenses e que chamam a atenção dos turistas.

Casa Elga Tribess

Foto: Eduardo Montecino/ OCP News

Fica na área rural, cercada por várias paisagens e é uma representação histórica da imigração no município. Construída no ano de 1927, os primeiros moradores foram os membros da família de Acelino da Costa.

É formada por ranchos de madeira e alvenaria e fica mais afastada da estrada. Tem uma varanda com pinturas decorativas e piso de concreto. Tem grande valor arquitetônico e agrega a paisagem local.

Foi tombada pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC) em 2017 e fica na rua Manoel Francisco da Costa, no bairro João Pessoa.

Casa Rux

Foto: Arquivo/FCC

Pastagens, plantações e ranchos formam a paisagem que rodeia a casa, construída em 1915 por Augusto Rux e restaurada em 1989.

A edificação chama a atenção pela base de pedras irregulares e pela varanda acrescida posteriormente com estrutura em madeira. No interior, a sala apresenta pinturas decorativas e assoalho de madeira original bem conservado.

Foi tombada pela FCC no ano de 2002 e fica na rua Erwin Rux, no bairro Rio da Luz.

Casa Cido Gielow

Foto: Divulgação

Tem estrutura enxaimel com alvenaria aparente e fica também na área rural. Faz parte de um conjunto formado por vários ranchos em madeira dos dois lados da rua.

A varanda é rebocada, apresenta detalhes em relevo e possui pinturas decorativas internas. Representa a contribuição do imigrante na construção da sociedade catarinense.

Foi tombada pela FCC em 2017 e fica na rua Amandus Rengel, s/n, no bairro Rio Cerro I.

Casa Afonso Braun

Foto: Arquivo/FCC

Mais um exemplar de arquitetura que utiliza a técnica enxaimel, construída em 1928 em um espaço que tem um dos mais preservados conjuntos de construções alemães de Santa Catarina.

Fica localizada na Rua Eurico Duwe, no bairro Rio da Luz, e é de propriedade de Jaime Braun. Foi tombada pela FCC em 2017.

Casa Wigando Mayer

Foto: Divulgação/Prefeitura de Jaraguá do Sul

Construída no início do século 20 por Wigando Mayer, a casa tem alvenaria aparente, foi assentada de forma diferenciada e erguida sobre um porão habitável. Rodeada de uma paisagem encantadora, tem grande valor arquitetônico e paisagístico.

Fica na rua Wolfgang Weege, no bairro Jaraguá 99, e foi tombada pela FCC em 2017.

Casa Adelino Jansen

Foto: Divulgação

Construída no final do século 19, é rodeada por um cenário rural preservado e paisagens que merecem destaque. Fica afastada da estrada, por isso, se destaca ainda mais no meio da natureza.

É propriedade de Arthur Jansen, fica na Estrada Margem Direita, no Garibaldi. Foi tombada pela FCC em 2017.

Casa Rolf Töeve

Foto: Divulgação

Propriedade de Rolf Töeve, a casa conta com engenho de cana-de-açúcar, vários ranchos em madeira com equipamentos como carroça e implementos agrícolas. Fica afastada da estrada e o acesso deve ser feito através de uma ponte.

Fica na Estrada Margem Direita, no Garibaldi. Foi tombada pela FCC em 2017.

Casa Mahfud

Foto: Divulgação

Foi construída em 1936 no centro da cidade e entre 1939 e 1941 foi sede da Prefeitura de Guaramirim. Foi tombada pelo patrimônio histórico municipal no ano de 2015.

Casa Guilow

Foto: Divulgação

Foi edificada em 1925 no bairro Rio da Luz. É uma das casas históricas do bairro, onde pessoas relacionadas ao famoso Salão Barg viveram. Foi tombada pelo patrimônio histórico municipal no ano de 2019.

Casa Prestini

Foto: Preserva Jaraguá do Sul

É uma das mais belas construções em um bairro de colonização italiana, o Vila Chartres. É uma das mais belas edificações históricas da cidade e retrata a beleza e o estilo italiano.

Casa Ruediger

Foto: Fazenda Leão da Montanha

Construída pela família Reitz em 1935, foi adquirida por Richard Ruediger no início dos anos 50. Feito o pedido de tombamento voluntário então foi tombada pelo patrimônio histórico municipal no ano de 2016.