Com a paralisação dos caminhoneiros completando quase dez dias, percebemos que a nossa dependência pelos serviços desta categoria é bem maior do que a gente imaginava.

Além da falta de combustíveis nos postos, da escassez nos supermercados, do comprometimento do transporte público e outros efeitos que a população brasileira está sentindo, também podemos ficar sem internet!

É o que dizem as operadoras e até a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil) também comunicou que "algumas atividades das empresas podem ficar comprometidas" por conta da greve.

Entre essas atividades estão "manutenção de rede" e o "reparo e funcionamento dos geradores das estações de telecomunicações, que são acionados em caso de falta de energia".

Tudo por conta da falta de combustível em postos, que não têm recebido o produto graças à greve de transportadores.

"Até o momento não foi registrada nenhuma ocorrência, mas, devido ao baixo volume de estoque de combustível da frota de veículos que transportam as equipes, poderá haver risco de contingenciamento dessas atividades", informa o sindicato.

Por conta disso, o Sinditelebrasil afirma que operadoras encaminharam à Anatel no último domingo, 27, uma solicitação formal para que "seja priorizado o abastecimento da frota de veículos utilizados na manutenção das redes, para proteger a operação de infraestrutura crítica de telecomunicações".

Além disso, a Anatel garante que tem um equipes de trabalho monitorando a situação em diversos estados do país.

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?

Região de Jaraguá do Sul - Clique aqui

Região de Joinville - Clique aqui

Região de Florianópolis - Clique aqui

-

Fonte: Olhar Digital