Foto Arquivo OCP News
Foto Arquivo OCP News

Com uma safra de 717,7 mil toneladas, Santa Catarina respondeu por mais de dois terços das exportações de banana registradas no ano passado: 73% das frutas brasileiras enviadas ao exterior vieram do estado. Os dados são da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri)

No ano passado, o estado faturou US$ 11,8 milhões com o embarque de mais de 47,8 mil toneladas de banana – 38% a mais do que no ano anterior. Ao todo, o país exportou 65,47 mil toneladas do fruto, movimentando US$ 21,07 milhões.

 

 Você conhece os podcasts do OCP?

Assine e receba novos conteúdos todos os dias

Apple Podcasts | Spotify |
Soundcloud

 

Este foi o maior volume registrado desde 2015, segundo dados do Boletim Agropecuário elaborado pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa). O estado conta com cerca de 3.400 bananicultores e mais de 28 mil hectares plantados.

Segundo a diretora da Asbanco (Associação dos Bananicultores de Corupá), Eliane Müller, estas exportações servem como um importante mecanismo de controle de preços.

"As exportações ajudam a escoar os excessos da produtividade, nosso produtor sofreu muito com preços baixos por conta da oferta elevada no ano passado", explica.

Em 2018, o preço chegou à um mínimo de R$ 5 pela caixa de 21 kg do fruto, enquanto o preço de custo para os produtores operou em uma média de R$ 9,50. "Alguma coisa tinha que mudar, ou o produtor ia acabar quebrando, estávamos perdendo dinheiro a cada caixa", lembra.

 

 

Ela adiciona que a entidade foi fundada em resposta a mais grave crise de preços do fruto, em 1994: no primeiro ano do Real, a caixa do fruto chegou a um mínimo de R$ 0,80 por caixa.

O principal destino para o fruto catarinense é o Mercosul - cerca de 15% da produção de Corupá se destina às exportações para a Argentina e o Uruguai.

"Nós competimos diretamente com frutos importados por estes mercados e como tivemos uma safra muito grande, os preços foram vantajosos para a aquisição de banana brasileira", diz.

Em posição de destaque

A exportação de banana é feita primariamente de forma indireta: produtores vendem o fruto para distribuidores, que por sua vez os vendem para exportadoras na fronteira.

Por conta disto, esta e outras exportações agrícolas frequentemente não aparecem associadas ao município produtor em dados da balança comercial.

Segundo a diretora, Santa Catarina tem uma vantagem geográfica nas exportações para os vizinhos.

"Como temos a maior proximidade com a Argentina e o Uruguai dentre os estados produtores, isto nos dá uma vantagem muito grande para o mercado externo. A maior parte das importações de banana deles são catarinenses", explica.

A proximidade não apenas reduz os custos, mas garante um fruto em melhor qualidade, dada a vida curta da banana.

No final do mês passado, outra situação ligada ao mercado externo favoreceu os bananicultores regionais: o veto às importações de banana do Equador, atendendo uma solicitação da Conaban (Confederação Nacional dos Bananicultores).

A decisão foi confirmada no dia 26 de fevereiro e derruba a instrução normativa 46 de 6 de dezembro de 2017, que autorizava a importação de banana do Equador para o mercado brasileiro. O Equador também é o principal competidor do fruto catarinense nos mercados do Mercosul.

Banana mais doce do Brasil

A banana produzida na região de Corupá é considerada a mais doce do Brasil. O reconhecimento do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) é válido para as frutas produzidas nos limites da região formada entre os municípios de Corupá, São Bento do Sul, Schroeder e Jaraguá do Sul.

O INPI reconhece que a banana da região é naturalmente mais doce, devido às características do solo, relevo e clima. Com o slogan “Banana de Corupá: doce por natureza”, a fruta se tornará patrimônio regional e terá um diferencial competitivo.

Com a Indicação Geográfica, os bananicultores da região poderão utilizar o selo de origem em seus produtos, desde que sigam um regulamento de produção e procedência, que dará aos consumidores garantia da qualidade diferenciada da fruta.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?