“O desafio de tratar o câncer de mama”

Foto: Maurício Hermann

Por: Elissandro Sutil

08/07/2022 - 08:07 - Atualizada em: 23/05/2024 - 13:40

O desafio diário de tratar o câncer de mama é a principal motivação para o Dr. Rafael Reis e Silva, Médico Mastologista no Hospital São José. Trabalhar em uma instituição com modernos equipamentos e profissionais qualificados faz toda a diferença no tratamento das pacientes. Recentemente o hospital adquiriu um novo aparelho de mamografia digital e tomossíntese, trazendo assim mais benefícios para toda a população.

Foto: Maurício Hermann

A mamografia é o principal aliado do médico no diagnóstico do câncer de mama, pois, quando realizada anualmente por mulheres acima de 40 anos, contribui para a redução da mortalidade em razão da doença. Através do diagnóstico precoce, maiores serão as chances de cura e menos invasivo será o tratamento.

O fato de a pessoa não ter a doença diagnosticada não significa que não é necessário realizar o rastreamento. “Muitas mulheres não fazem a mamografia com medo do que podem encontrar algo, mas é importante entender que quem encontra tem a chance de tratar”, explica o Dr. Rafael.

Mas afinal, o que é a mamografia e como ela é feita?

A mamografia é um exame de raio-X realizado em um equipamento denominado mamógrafo. Durante a realização do exame, a mama da paciente é comprimida para permitir uma melhor visualização das estruturas da mama. Por meio desse procedimento, é possível detectar lesões benignas e cânceres em estágio ainda inicial, possibilitando a detecção de nódulos que não são descobertos durante o autoexame ou em consultas médicas de rotina.

Na mamografia digital, a radiação é capturada por detectores posicionados logo abaixo da mama, que transmitem de forma eletrônica as imagens diretamente para um computador de alta definição facilitando o diagnóstico.

A dose de radiação na mamografia é segura?

Sim. Hoje, nos aparelhos mais modernos de mamografia digital (DR) existe todo um processo de ajuste da dose de radiação aplicada de acordo com a mama de cada paciente. No final, temos uma dose de radiação até 50% menor em relação aos aparelhos mais antigos e com qualidade de imagem superior para o exame.

A mensagem final para população é a importância do diagnóstico precoce, com a realização de exames preventivos e visitas regulares ao médico, melhorando assim a qualidade de vida.

Câncer de mama no mundo

Para entendermos toda a dimensão dessa doença, o câncer de mama é o que mais afeta mulheres no mundo, com aproximadamente 24,5% dos casos novos. É a primeira causa de morte por câncer em mulheres no Brasil, segundo dados do INCA.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê um aumento de 46% dos casos de câncer de mama até o ano de 2030, com uma concentração de 57% dos casos diagnosticados em mulheres com menos de 65 anos.

Notícias no celular

Whatsapp