“Vamos construir um belo e saudável 2022”

Cleiton Vaz - Reitor do Centro Universitário Católica de Santa Catarina

Por: Palavra do Reitor

04/01/2022 - 16:01 - Atualizada em: 04/01/2022 - 16:42

Olá, queridos leitores. É um prazer reencontrá-los por aqui. Temos pela frente um novo ano para construirmos juntos. As possibilidades são vastas, mas, primeiramente, vou fazer um convite. Antes de olhar adiante, que tal investirmos tempo e energia para arrumar a casa, focar no nosso interior?

O autocuidado é uma prática diária, mas, neste mês, fica ainda mais evidenciada pelo Janeiro Branco. Em outubro de 2014, um grupo de profissionais da saúde de Minas Gerais criou a campanha em prol da saúde mental. Se me permitem a liberdade, vou compartilhar aqui algumas sugestões de boas práticas para ter um ano com mais bem-estar:

  • Fique atento à família e à genética: para os filhos, vale ficar atento ao histórico familiar, pois há transtornos psiquiátricos que são hereditários. Para os pais e mães, cuidar das próprias emoções é uma grande herança. Ao proporcionar um ambiente saudável, irá favorecer o desenvolvimento dos seus filhos. Falando neles, que tal nesse ano deixamos as crianças serem mais crianças, em vez de cumprirem uma extensa agenda de compromissos?
  • Tenha tempo de qualidade: papais e mamães também podem, e devem ter tempo de lazer. Além dos seus compromissos, inclua em sua agenda atividades prazerosas com pessoas que te façam bem. Procure aliviar a mente com o que que favorece o bem-estar, como ouvir música e praticar atividades físicas.
  • Evite relações tóxicas: fique atento ao que faz ou não bem em relação a pessoas e ambientes. Se perceber que algo faz mal, melhor evitar.
  • Maneire na cafeína: a cafeína é uma das responsáveis por aumentar a ansiedade, a insônia, irritabilidade, taquicardia, picos de pressão alta, desarranjos intestinais e insônia.
  • Cuide de quem você ama: esteja atento aos sinais de alerta que as pessoas que você ama emitem. Desinteresse, isolamento, descuido com a aparência ou frases relacionadas à morte podem ser sinais de depressão e que o indivíduo está precisando de ajuda. Evite frases prontas como “vai passar” ou “tudo vai dar certo”. Ouça mais. O seu apoio, afeto, compreensão e empatia podem ser os primeiros passos no caminho da cura das emoções e da aceitação de um tratamento profissional. Invista o seu tempo em apenas ouvir, sem preconceitos e imposição de opiniões.
  • Aceite ser ajudado por um profissional capacitado: ninguém é obrigado a enfrentar situações difíceis sozinho. Se sentir que está tudo muito pesado, a psicoterapia pode ser um grande trunfo para melhorar o seu bem-estar. Por meio dela, é possível falar e observar de que maneira os pensamentos e emoções estão organizados, observar os efeitos e disfunções que podem estar limitando ou causando dificuldades. Falar sobre o que te deixa ansioso, por exemplo, auxilia a abrir a percepção a novas possibilidades de enfrentamento, ressignificação de situações de tensão, assim como o desenvolvimento de diversas habilidades sociais.
  • Por uma masculinidade mais saudável: ter emoções como ansiedade, medo e angústia não é um sinal de fraqueza ou de “quebra da masculinidade”. Quando não tratada de maneira adequada, a ansiedade em excesso pode ocasionar diversas dificuldades físicas, tais como disfunção erétil, queda na libido, dificuldades para dormir, estresse elevado, queda na capacidade de concentração e tomada de decisões.
  • Avalie o seu “comportamento digital”: as redes sociais evidenciam a nossa dependência da aprovação alheia e trazem o risco de comparação e desqualificação da própria imagem. É necessário bom senso e limites no tempo de uso. Um forte indicativo do uso excessivo é a constatação de prejuízos no trabalho e nas relações, a chamada intoxicação eletrônica.
  • Seja gentil com você: buscar o equilíbrio para saúde mental passa por aprender a respeitar seus próprios limites, como os tempos de pausa e descanso.

Espero que essas dicas te ajudem a ter um ano ainda mais pleno e saudável. Feliz 2022!

Palavra do Reitor – Cleiton Vaz