Jaraguá do Sul será representada na próxima terça-feira (11) pelo secretário municipal de Educação Rogério Jung em evento nacional da Google para a Educação em Brasília.

O convite da empresa multinacional americana de serviços online e software, foi motivado pelo investimento que o município fez somente no ano passado em inovação tecnológica e que chegou a cerca de R$ 6 milhões. Esses valores foram aplicados na aquisição de computadores, projetores e chromebooks para escolas e creches.

Confira a entrevista do secretário Rogério Jung:

O que levou o município a investir em tecnologia nas escolas? As unidades estavam atrasadas com relação à inovação tecnológica?

Temos 60 unidades de ensino no município, 30 Centros de Educação Infantil e 30 escolas que que atendem 21.500 alunos de zero a 15 anos. Toda nossa rede está cabeada com fibra ótica e desde que assumimos cada vez mais estamos trazendo a tecnologia para a sala de aula. Entendemos que nossos alunos já estão na era digital e a escola tem proporcionar algo a mais, até para se transformar e se tornar atrativa  tanto para os alunos quanto para os professores.

No  passado o município investiu aproximadamente R$ 6 milhões em tecnologia e para este ano, já estamos em fase final de implantar em toda sala de aula um retroprojetor e um computador. E nos próximos dias vamos entregar 36 chromebooks para cada escola (a serem usados pelos professores) e também vamos começar um projeto piloto no CEI Eliane Welk para introduzir o uso dessa tecnologia com as crianças.

O município planeja em usar lousas digitais, ou liberar os celulares ou tablets para os alunos do 6º ao 9º ano em sala de aula para pesquisa? Ainda se usa o quadro negro na rede municipal?

Na nossa rede pouquíssimas salas devem ter quadro negro, a maioria têm quadros brancos e que logo que tiverem o chromebooks, os professores poderão utilizar junto com os retroprojetores para ministrar suas aulas.

Sobre o uso do celular em sala de aula, logo não teremos como fugir. Esta questão é polêmica, mas não podemos deixar de pensar. Porque com a parceria com a Google, os professores vão dispor de ambientes virtuais de planejamento de aula e teremos muito conteúdo à disposição dos alunos que possibilitará a ampliação do aprendizado na sala de aula e em casa. O celular pode ser uma ferramenta que pode ajudar a educação.

A tecnologia é importante, mas não esquecemos de outras áreas , como a robótica, o ensino de música e artes. Em poucos dias faremos uma licitação de mais de R$ 500 mil para a compra de materiais esportivos, além disso, foi criando um Centro de Pesquisa de Teatro e Dança. Pensamos a educação como um todo.

Qual é o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) hoje da rede municipal de ensino? E o que tem sido feito para melhorar este índice?

O Ideb é uma construção ao longo dos anos. O que temos feito é manter e cada vez melhorar este índice.  Nosso  ideb hoje das séries iniciais até o 5º ano é de 7,1, um índice excelente, mesma média das escolas particulares. E dos anos finais do 6º ao 9º ano, é 5,7.

Com a inovação tecnológica nas escolas, acreditamos que  vai melhorar a inteiração entre os alunos e professores, principalmente para os alunos das séries finais. Esta é uma média de 5,7 também é boa a nível de Brasil, mas claro, almejamos melhorar cada vez mais.

Qual é o planejamento para o setor de Educação para este ano e o próximo?

Já tenho um planejamento para até 2024, mas para este ano e o próximo, pensamos na questão estrutural das escolas. Com o zoneamento escolar, em algumas escolas conseguimos  espaços a mais, antes ocupados por salas de aula.

Com isso, poderemos implantar salas de inovação nas unidades, onde não haverá carteiras como uma sala comum, mas sim bancadas onde os alunos poderão trabalhar de quatro a cinco com um computador por bancada. Pretendemos entregar depois do recesso escolar no meio deste ano até o fim do ano, em cinco escolas: Ataíde Machado, Alberto Baeur, Ana Towe Nagel, Maria Nilda Salai e Santo Estêvan.

Como veio o convite para você palestrar no evento nacional da Google para a Educação em Brasília, dia 11?

O evento é o "Inovar para Brasil: Construindo a Educação do Futuro” e fui convidado para falar sobre os investimentos que estamos fazendo em tecnologia em Jaraguá do Sul. Neste encontro, estarão reunidos mais de 100 gestores de educação de todo o País. E Jaraguá que já tem uma educação de qualidade, vem despertando o olhar de outros estados e municípios. Nada vai substituir o professor, mas a tecnologia vem para ajudar e despertar nos alunos o interesse pela educação. A parceria com a Google foi algo que a gente construiu desde 2017.

Pesquisei a respeito e vi que outros países como Estados Unidos e Canadá usam as ferramentas da Google para melhorar a educação e no Brasil cada vez mais a rede privada está fazendo uso . Aí consegui fechar uma parceria com a Google para usar as ferramentas dela. E o melhor, o município não paga absolutamente nada. O custo que temos é o investimento em equipamentos tecnológicos (como os chromebooks) que terão as ferramentas da Google e as capacitações que damos aos nossos professores.

No evento em Brasília, além de mim, outra gestora do Espírito Santo, também vai palestrar, as demais palestras serão de representantes da Google For Education Internacional. Acredito que para a educação é algo importantíssimo. Muitos gostariam de estar lá e poucos são convidados. É uma valorização da educação de Jaraguá do Sul:  dos alunos, professores e da educação num geral. Recebemos a missão em 2017 de colocar Jaraguá como referência nacional na educação e estamos conseguindo.

Você vai aproveitar sua viagem a Brasília para buscar mais parcerias e recursos para a área em que atua?

Sim, no dia 12 vou participar de reunião com o deputado federal Carlos Chiodini (MDB) para solicitar o apoio dele para projetos para educação jaraguaense. Até agora não conseguimos nenhum recurso do governo federal. E também farei um visita na Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e aproveitaremos para trazer algo novo também para implementar em Jaraguá do Sul.

Ouça a entrevista do secretário:

Quer receber as notícias no WhatsApp?