Balança comercial de Guaramirim melhora, mas exportações e importações têm queda

Colunistas

Por: OCP News Jaraguá do Sul

quarta-feira, 04:00 - 09/03/2016

OCP News Jaraguá do Sul
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
A balança comercial de Guaramirim fechou o primeiro bimestre deste ano com um saldo negativo de US$ 971,259 milhões. O resultado é melhor que o mesmo período do ano anterior, quando o saldo foi negativo em US$ 2,073 bilhões. As exportações caíram 32% de um período a outro. As importações caíram bem mais, com uma redução de 50%, o que explica o saldo da balança mais positivo de 2016 em relação ao acumulado do ano passado. Seguindo o cenário nacional, a alta no dólar tem feito com que as empresas reduzam suas compras externas. No mesmo período, os ajustes econômicos frente à crise têm diminuído os embarques para fora do país. A venda de colchões e artigos semelhantes (que corresponde a 66% da pauta de exportação em Guaramirim) caiu 40% nos dois primeiros meses do ano, em relação ao mesmo período de 2015. A diminuição de 54% nos pedidos enviados a Bolívia, principal comprador, explica o desempenho. As exportações ao segundo comprador, Paraguai, por sua vez, aumentaram 34% na mesma comparação. A importações de produtos chineses diminuíram 45% nesses dois primeiros meses. O cenário se repete ao observado na pauta de compras externas de Jaraguá do Sul, que reduziu a compra de mercadoria do país asiático em 40% nesse começo de ano, conforme publicado ontem pelo OCP.

 * * *

Amigo do Consumidor A CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas) de Jaraguá do Sul e o Procon lançaram ontem a divulgação do Selo Amigo do Consumidor de 2016, certificado que tem por objetivo identificar as lojas e empresas que cumprem com o Código de Defesa do Consumidor e que não têm nenhuma ação julgada em definitivo pelo Procon. A capacitação, a qual é requisito para obtenção do selo, ocorrerá no dia 17, às 19h30, no Cejas.

 * * *

Desafios de Colombo Em evento na noite de segunda-feira (7), o governador Raimundo Colombo afirmou que o Estado vai se esforçar para que nenhuma obra pare. Ele apontou três desafios principais para a gestão: as despesas de folha, a Previdência e a dívida com a União, considerada um dos entraves para novos investimentos.

 * * *

marcio manoel da silveiraA força da tríplice hélice No último mês de fevereiro, a Incubadora JaraguaTec comemorou 12 anos de trabalho em prol do empreendedorismo inovador. Naquela semana, fui até lá cumprimentar o Professor Victor e juntos lembramos de muitos acontecimentos que culminaram com a implantação da Incubadora. Três fatos me vêm à mente quando lembro daquela época. Foi em 2002 que a Apevi através de um edital do Sebrae recebeu recurso para fazer um projeto para a implantação de uma incubadora de empresas do setor tradicional da economia. Na mesma época, a Ferj havia instituído um grupo de trabalho para se criar uma incubadora tecnológica e a Prefeitura iniciava a terraplanagem da área industrial do Bairro Três Rio do Sul. Buscamos a sinergia dos projetos e, numa reunião no Centro Empresarial, a tríplice hélice de Jaraguá resolveu que a incubadora teria base mista (tecnológica e do setor tradicional) e que a FERJ seria encarregada de executar o projeto sob coordenação do Prof. Victor. Lembro da empolgação do Prof. Diomário (presidente da Fapesc) quando nos visitou e me disse: “Márcio, Jaraguá do Sul reúne todas as condições necessárias para a implantação de uma incubadora. Primeiro, pela forma inovadora de aliança que vocês fizeram, onde todas as entidades apoiam e trabalham para a realização. Segundo, pelo nível dos laboratórios disponíveis para que os incubados possam testar seus projetos (nós estávamos visitando os laboratórios do Senai naquele momento) e terceiro, pelos cursos de tecnologia oferecidos pelas instituições de ensino da cidade. ” O nome JaraguaTec surgiu de uma conversa com o professor Pedro Kraus. Buscávamos, sem muito êxito, um nome inédito. Na época o prof. Pedro era professor visitante da California State University. Perguntei como era lá na América e ele me respondeu: “Na maioria das vezes eles pegam o nome da cidade e colocam tech em seguida”. Pronto. Evoluímos muito desde aquela época e a tríplice hélice se manteve sinérgica e pronta para novos desafios.

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO

×