Abril Azul da AMA: “nosso mundo em expressões” – Nelson Luiz Pereira

Por: Nelson Luiz Pereira

11/03/2023 - 05:03

Somos uma sociedade engajada. Nosso nível de unidade social é diferenciado. Então que tal pintarmos de azul o mês de abril? É uma tarefa simples, você entra apenas com o coração.

Conto como fazer isso: a tonalidade do azul é proporcional a consciência que temos de que no Brasil, o contingente de portadores do Transtorno do Espectro Autista (TEA), já ultrapassou 2 milhões, metade aproximadamente, ainda sem diagnóstico.

Pesquisas e esforços científicos já direcionados nesta área são relevantes, embora, chegar à cura ainda demande uma considerável caminhada, por envolver, supostamente, uma associação de fatores genéticos e exógenos.

Por isso, enquanto a ciência não ultrapassa a fronteira do desconhecido, o grande desafio repousa no diagnóstico precoce de observação, conjugado com digno acolhimento e competente tratamento. É o que a AMA faz. E é aqui que os corações, individual e coletivo, poderão pintar o abril de azul e fazer a diferença.

Então, como você já conhece a cor, basta se munir de um pincel e observar os seguintes passos:

i) entre os dias 22 de março e 4 de abril, visite o Espaço Shopping, adquira belos itens da campanha “Abril Azul” de sua preferência, e ajude a expandir o universo dos autistas;

ii) no dia 1° de abril, no período da manhã, não ouse sair de casa sem algum dinheiro vivo na carteira, pois, você irá se deparar com o Pedágio Solidário da AMA, com voluntários em pontos de coleta espalhados pela cidade;

iii) a última demão será no dia 5 de abril, ás 17 horas, com o tradicional Happy Hour AMA 2023. Adquira seu ingresso e vá ao Clube Atlético Baependi, conhecer o mundo dos autistas. Você desfrutará de um ambiente harmonioso, acolhedor, interativo e degustativo.

Enfim, pintar o abril de azul é, antes de tudo, contribuir com a elevação do potencial humano, com a qualidade de vida, a solidariedade e a compaixão, visando uma sociedade mais evoluída.

A missão voluntária da AMA não se sustentaria desconectada desse padrão social que nos é peculiar em Jaraguá. Sua causa não tem um dono. Ela é da comunidade. Sendo assim, vale a reflexão: ‘ser servido sem servir, é apenas existir’. Ajude a fazer um abril azul.