Esses humanos que circulam/ Pela cidade aí afora/
Eu não aguento, eles querem me conquistar/
Eu não aguento, eles querem me controlar”
(Humanos, Supla - Tokyo).

A tecnologia evolui em velocidade vertiginosa – a Lei de Moore dá uma noção desta rapidez. A essência dos humanos nem tanto.

O mais novo queridinho dos bandidos.

O WhatsApp foi uma revolução nas comunicações. Uma considerável pedra no sapato das empresas de telefonia, que tiveram que rever conceitos e procedimentos para diminuir sua queda de faturamento com o advento dos aplicativos de comunicação gratuitos.

Ocorre que as pessoas estão desatentas. A frequência dos golpes utilizando aplicativos de comunicação, em especial o WhatsApp, aumentou muito nos últimos meses e mesmo com bastantes notícias na mídia, muita gente continua caindo.

Duas regras básicas simples podem ajudar a evitar estes transtornos: ativar o recurso de verificação em duas etapas do aplicativo, para dificultar a clonagem da conta; e não acreditar em mensagens de conhecidos que pedem dinheiro, pelo menos não antes de conversar pessoalmente com o suposto endividado.

Olho maior que a barriga.

Minha mãe usava esta expressão quando a gente não dava conta de comer o que pedia. Coisa de guloso. E um pouco de ganância.

Esse pecado talvez seja o maior desencadeador de prejuízos que as pessoas sofrem com os golpes, tanto no mundo real quanto no virtual. A expectativa de ganhar dinheiro fácil – no limite da lei ou ultrapassando-o – tem feito muita gente dormir frustrada ou envergonhada. Ou os dois.

E tem os casos de simples ingenuidade, como os daqueles que caem em promoções que não existem e que trazem vírus para os computadores e celulares.

Aqui também cabem duas regrinhas de ouro. Não tenha a síndrome do dedo nervoso: não clique ou aperte em links de promoções antes de conferir nos sites oficiais das empresas se elas (as promoções) realmente existem.

E lembre-se que, em regra, empresas não mandam promoções com links por e-mail ou mensagens. Logo, se você receber uma, desconfie antes de tudo. Seus dados, seus arquivos e sua conta podem estar em risco.

Lei de Moore.

O químico e físico Gordon Moore fez uma previsão, em 1965, de que a capacidade tecnológica dobraria a cada 18 meses. Com a confirmação dessa previsão nasceu a Lei de Moore.

Quanto tempo vai durar é motivo de algumas discussões acadêmicas. O fato é que a evolução da tecnologia nos traz benefícios e riscos, como tudo na vida.

Assim, ante à criatividade dos criminosos, toda atenção é pouca. Hoje, Supla poderia cantar que esses humanos, pela internet aí afora, querem nos conquistar e controlar. E querem mesmo, principalmente pela nossa conta bancária!