Foto Eduardo Montecino/OCP News
Foto Eduardo Montecino/OCP News

As atividades econômicas em Santa Catarina tiveram um aumento de 8,07% entre janeiro e setembro de 2018, comparado ao mesmo período de 2017, segundo que aponta o primeiro relatório do Índice de Performance Econômica das Regiões (IPer) - e o Norte do Estado foi a segunda região de maior crescimento, superando a média: a região norte cresceu 8,75%, ficando atrás apenas do Vale do Itajaí, com aumento de 11,86% na atividade econômica.

O objetivo do estudo, lançado nesta semana pela Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc) é produzir uma estimativa trimestral da movimentação econômica de cada uma das regiões catarinenses.

Os índices de performance econômica servem como uma prévia do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), o indicador oficial de performance da economia.

O resultado é bom - e está muito acima do nacional, de 0,72% no mesmo período - mas ainda pode melhorar: o crescimento econômico da região segue obstruído pela urgência de obras estruturantes há muito necessárias, como a duplicação da BR-280, prometida há uma década, e o contorno ferroviário.

As condições logísticas da região tem sido historicamente um problema, representando um empecilho para o escoamento de mercadorias e um fator negativo para a entrada de novos investimentos no norte catarinense: difícil atrair e manter empresas quando a saída de produtos e a entrada de matéria prima é constantemente atrasada por congestionamentos na estrada e a passagem de trens.

Estas obras são de suma importância para que o estado possa ter crescimento real - para além da recuperação de perdas registradas com a crise que marcou o país por dois anos, entre 2015 e 2016, e viu o PIB catarinense encolher 6% no período, contra 7,5% no nível nacional.

Em 2017, o estado cresceu 4,1%, 4 vezes mais do que o país, com crescimento de só 1%. Sinal de que algo de certo o estado está fazendo - mas ainda há muito para melhorar. E o mesmo vale para a região: superar o Vale do Itajaí deveria ser meta para o desenvolvimento do Norte Catarinense.

Diálogo Industrial

Para falar sobre o assunto, estará em Jaraguá do Sul Marcos Yoshikazu Kawagoe, com 26 anos de experiência profissional e atuação em corporações internacionais como Saint Gobain e Embraer, além de ter liderado o Programa Mundial de Excelência Empresarial (P3E) para aumento da produtividade, qualidade e competitividade.

O evento ocorrerá no Centro Empresarial, das 15 às 17 horas. A inscrição é gratuita e aberto à participação de empresários, empreendedores e executivos de todas as áreas, e ao público em geral.

Informações pelo telefone (47) 3273-8116 ou pelo e-mail marcia.izidoro@fiesc.com.br.

Restituição da malha fina

A Receita Federal abriu nesta sexta-feira (8) a consulta ao lote residual de restituição do Imposto de Renda (IR) Pessoa Física de fevereiro.

Ao todo, serão desembolsados R$ 401 milhões para 142,6 mil contribuintes que estavam na malha fina das declarações de 2008 a 2018, mas regularizaram as pendências com o Fisco.

A consulta também pode ser feita pelo Receitafone, no número 146. A Receita oferece ainda aplicativo para tablets e smartphones, que permite o acompanhamento das restituições.

BNDES abre dados de subsidária

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tornou mais transparentes os dados da carteira de ativos de sua subsidiária BNDES Participações (BNDESPar).

No site, as pessoas interessadas terão acesso a informações sobre os investimentos do banco em participações acionárias, fundos de investimento e debêntures de renda variável.

Também é possível conhecer o valor de mercado das participações do BNDES nas empresas listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (B3).

Por intermédio do selo "Aqui tem Transparência para Você", os usuários terão acesso ainda à participação do BNDES no capital das empresas não listadas na B3 das quais ele é acionista.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?