O ministro da Economia Paulo Guedes, disse na quinta-feira (19) que o Mercosul não tem, para o Brasil, a mesma importância que teve em seu momento inicial, quando foi “uma espécie de trampolim” para o País avançar em termos de competitividade.

Segundo ele, o bloco “não está correspondendo às expectativas”, ainda que não tenha deixado de ser uma “ferramenta válida e importante”. A solução para isso, disse Guedes, passa pela modernização do bloco. As afirmações foram feitas durante audiência pública no Senado, destinada a debater a ampliação e a modernização do bloco constituído por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

“Nos últimos 30 anos, o comércio global aumentou muito e tirou 3,7 bilhões de pessoas da miséria, aumentando a renda per capita. Enquanto isso, nós, quando fomos pioneiros em criar grandes blocos de integração comercial, fomos ficando para trás”, disse o ministro ao iniciar sua participação na comissão.

Guedes disse que o Mercosul foi “um grande sucesso” como plataforma para aumentar a integração do bloco e para lançar a economia brasileira na economia global. “Foi uma espécie de trampolim para o Brasil se integrar à economia global”, disse o ministro ao lembrar que, entre 1991 e 1998, a participação do Mercosul na corrente de comércio brasileira subiu de 9% para 18%. “Depois disso começou a cair”, complementou.

Audiência

A Prefeitura de Guaramirim realiza no dia 10 de setembro, às 16 horas, uma audiência pública online sobre o processo de alteração e correção do Plano Diretor Urbano de Guaramirim. A audiência ocorre de forma online em respeito às medidas vigentes e como forma de prevenção do coronavírus.

Campanha

Conscientizar a população sobre a importância de economizar energia elétrica, evitando desperdícios, é o objetivo de uma campanha nacional lançada esta semana pela Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e Ministério de Minas e Energia (MME).

Depósitos

As instituições financeiras poderão depositar voluntariamente dinheiro no Banco Central (BC) em troca de uma remuneração e ajudando no controle da inflação. O órgão regulamentou nesta quinta-feira (19) os procedimentos para operar os depósitos voluntários remunerados.

Segundo o órgão, o novo instrumento de política monetária poderá começar a ser usado na última semana de agosto, depois de testes na próxima semana.

Dados Pessoais

A Secretaria de Estado da Administração (SEA) lançou um serviço que permite aos cidadãos catarinenses uma forma simples de exercer os novos direitos conferidos pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Entre as novidades, a possibilidade de verificar exatamente quais dados pessoais os órgãos do governo catarinense possuem sobre ele.

Centros de enfrentamento

Foi publicada no Diário Oficial da União da sexta-feira (20) uma portaria do Ministério da Saúde que credencia, em caráter excepcional, estabelecimentos de saúde como Centros Comunitários de Referência para Enfrentamento da Covid-19. A Portaria nº 2.010 credencia também os Centros de Atendimento para Enfrentamento da Covid-19.

O valor total previsto para os centros de atendimento é de R$ 553,92 milhões. Já os centros comunitários de referência receberão um total de R$ 20,16 milhões.

WEG

A Cementos Molins, cimenteira localizada na Colômbia, escolheu motores de grande porte da WEG para instalação em sua planta. Os motores fornecidos são responsáveis pelo acionamento de vários equipamentos instalados, incluindo o moinho principal, que é acionado por motor WEG da linha Master, carcaça 800, potência 6.200 HP.

Turismo

O faturamento do turismo nacional alcançou R$ 1,9 bilhão no primeiro semestre do ano, registrando queda de 3,1% com relação ao mesmo período do ano passado. Em junho o setor faturou R$ 10,2 bilhões, representando uma alta de 47,3% na comparação com junho de 2020.

Indústria regional

O fortalecimento da indústria do Sul do País foi um dos temas debatidos no encontro que reuniu os presidentes das Federações das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar; do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Petry; e do Paraná (Fiep), Carlos Valter Martins Pedro, com o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, na quinta-feira (19), na Fiesc, em Florianópolis.

Um dos temas em pauta foi a necessidade de criar uma política industrial, com um olhar mais atento para o Sul, uma das regiões mais industrializadas do País, que tem muitas similaridades.