O Ministério da Educação apresentou nesta quarta-feira o Future-se, programa que pretende estimular a captação de recursos privados para as universidades e institutos federais. O plano será de adesão voluntária pelas instituições.

Entre as ações anunciadas pelo MEC, estão a criação de fundos de investimento e a possibilidade de contratos de gestão com OS (organizações sociais), que poderão atuar na administração de recursos e de patrimônio das instituições.

O Future-se prevê a criação de um fundo imobiliário com recursos iniciais de R$ 50 bilhões - valor que viria da venda de patrimônio (terrenos e imóveis) da União.

Segundo o secretário de Educação Superior, Arnaldo Barbosa de Lima Júnior, o Ministério da Economia doou R$ 50 bilhões em imóveis para a criação de um "funding" de R$ 102,6 bilhões, que contará ainda com fundos constitucionais, recursos de leis de incentivo fiscal e da cultura e fundos patrimoniais.

Colaboração entre consulados

Entre os acordos assinados nesta quarta-feira (17) na Cúpula do Mercosul, em Santa Fé, na Argentina, um deles deve permitir a brasileiros, argentinos, uruguaios e paraguaios ter assistência consular diplomática em embaixadas de qualquer um dos países que compõem o bloco, caso não haja representação de seu país de origem.

A informação foi dada na terça-feira (16) pelo porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros.

Caixa Preta

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pretende explicar a “caixa-preta” na instituição financeira em até dois meses, disse ao final de terça-feira(16), o novo presidente da instituição, Gustavo Montezano.

Ele disse que não tem opinião formada sobre as gestões anteriores, mas que precisa explicar decisões tomadas nos últimos anos pelo banco.

Exportações nacionais recuam

As exportações brasileiras recuaram 10,4%, em valor, na comparação de junho deste ano com o mesmo período do ano passado. No acumulado do primeiro semestre, a queda chegou a 3,5%.

Os dados são do Índice de Comércio Exterior (Icomex) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

De acordo com a FGV, o resultado foi puxado pela queda nas exportações para os principais parceiros do país: Estados Unidos, China e Argentina

Assim como o PIB

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, recuou 0,8% no trimestre encerrado em maio deste ano, na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro. O dado é do Monitor do PIB, divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Segundo a FGV, no entanto, o PIB brasileiro cresceu 0,5% quando comparado ao trimestre encerrado em maio de 2018. Considerando-se apenas o mês de maio deste ano, houve altas de 0,5% em relação ao mês anterior e de 4,3% na comparação com maio do ano passado. No acumulado de 12 meses, o PIB cresceu 1,2%.

Inovação para a indústria

Os quatro institutos de inovação do SENAI e do SESI em Santa Catarina estão desenvolvendo 32 projetos de inovação para a indústria, que mobilizam R$ 81,2 milhões.

O montante representa aportes oriundos de programas de fomento à inovação - como o edital de Inovação da Indústria, mantido pela Confederação Nacional da Indústria, e recursos da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) – mais a contrapartida das próprias indústrias.

A informação foi dada pelo diretor regional do SENAI/SC, Fabrizio Machado Pereira, durante a imersão em Ecossistema de Inovação, promovida pela Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), na terça-feira (16).

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito: 

WhatsApp  

Telegram  

Facebook Messenger