Foto Arquivo OCP News
Foto Arquivo OCP News

As últimas declarações e movimentações em torno da possível aliança entre MDB e PSD não surpreenderam e nem chatearam o vice-prefeito Udo Wagner.

O ex-deputado estadual diz que já em outubro do ano passado havia comunicado à executiva do PP e ao prefeito Antídio Lunelli que não concorreria novamente.

“Depois disso, acho natural que os partidos e as lideranças busquem seu espaço. Faz parte do jogo democrático. Apesar de faltar um ano e meio para as eleições, as conversas já acontecem. É assim que funciona”, admite.

Udo Wagner afirma ainda que a decisão de se ausentar da disputa em 2020 é resultado da frustração com o meio político e a forma como as coisas acontecem no setor público. Segundo Udo, não há problema de relacionamento com o prefeito Antídio Lunelli.

Além disso, Udo prevê uma eleição diferente no próximo ano a começar pela regra que proíbe a coligação para a disputa proporcional, ou seja, a de vereador. “Cada partido terá que analisar bem qual o impacto dessa regra, inclusive o PP”, defende.

Até o próximo ano, o vice-prefeito pretende dar andamento ao desafio de buscar recursos para cidade.

Para Udo, o contato frequente com deputados e senadores catarinenses pode ajudar a abrir portas importantes. Um dos projetos que o vice-prefeito gostaria de ver concretizado é a reforma da área central da cidade. “Deixaria uma marca, um legado que me orgulharia”.

Feriado será no dia 26

O prefeito Antídio Lunelli (MDB) enviou um projeto de lei à Câmara de Vereadores alterando o feriado de aniversário de Jaraguá do Sul do dia 25 de julho para o dia 26 de julho.

Assim, a festividade será comemorada em uma sexta-feira e não em uma quinta-feira, evitando a famosa emenda.

A justificativa é que, com a alteração, os reflexos para a economia serão minimizados. Lunelli mandou a matéria com antecedência para análise do Legislativo para que indústrias, comércios e escolas possam se programar.

Prefeito de Guaramirim faz apelo

Uma obra que custou mais de R$ 10 milhões, sem contar o valor do terreno que foi doado ao Estado, e que se arrasta há mais de sete anos sem nenhuma utilidade até agora. O que acontece com o Cedup, em Guaramirim, é exemplo do descaso de governantes com dinheiro público.

Incomodado com a situação e de mãos atadas, o prefeito Luís Antônio Chiodini (PP) postou um vídeo nas redes sociais, ontem, pedindo socorro ao deputado federal Fabio Schiochet (PSL).

Do partido do governador Carlos Moises, Schiochet tem forte influência no governo do Estado e promete atuar para tentar tirar do roll de promessas velhas demandas.

Chiodini lembra que há dois anos vem trabalhando sem êxito para ver concretizada a abertura do local, idealizado pelo governo federal e com obras gerenciadas pelo Estado, para atender até mil estudantes em cursos profissionalizantes.

“Sabemos que é uma obra importante para a educação não só de Guaramirim, mas para toda a região porque ali poderão ser formados gratuitamente jovens e aperfeiçoada a mão de obra prestada na região”.

Passagens de nível

A necessidade de nivelamento das passagens de nível voltou a ser tema de discurso do vereador Ronaldo Magal (PSD) na tribuna da Câmara.

Segundo o parlamentar, em determinados locais, como na rua Tomaz Francisco de Goes, no centro da cidade, os motoristas reclamam dos solavancos ao atravessar os trilhos, justamente pelo desnivelamento em relação à pista.

Magal pediu novamente ao líder de governo na Casa, vereador Pedro Garcia (MDB), que reforce o pleito junto ao setor competente na Prefeitura. “Ano passado colocaram somente areia para nivelar as passagens, mas não resolveu”, argumenta.

Bombeiros do Rio Cerro

Descartada no ano passado, a possibilidade de fechamento da unidade dos Bombeiros Voluntários da Barra do Rio Cerro voltou a ser tema de debate na Câmara de Vereadores. Segundo Jaime Negherbon (MDB), a comunidade está apreensiva.

Ele protocolou requerimento pedindo a presença do comandante da corporação na sessão da próxima terça-feira (12), a fim de explicar o que está ocorrendo.

“A Barra hoje tem mais de 30 mil habitantes e tem também os bairros vizinhos, quando acontecer um acidente os bombeiros terão que passar toda a cidade para atender, é muito longe”, alerta.

IPVA para rodovias

Do total arrecadado em IPVA (Imposto sobre Circulação de Veículos Automotores), 10% serão investidos na manutenção das rodovias catarinenses.

A lei, de autoria do deputado Valdir Cobalchini (MDB), será seguida à risca pelo governo. Foi o que anunciou o secretário da Fazenda Paulo Eli.

O valor deve variar entre R$ 90 milhões e R$ 100 milhões por ano.

Na Alesc

A proibição do uso de radares em rodovias estaduais e a cessão de uso de imóveis do Poder Judiciário catarinense estão entre os primeiros projetos de lei protocolados na Assembleia Legislativa neste ano.

Ao todo, seis proposições entraram em tramitação na primeira semana do ano legislativo. O Projeto de Lei (PL) 1/2019, de autoria do deputado Valdir Cobalchini (MDB), proíbe o uso de radares móveis, estáticos e portáteis nas rodovias estaduais.

Já o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) encaminhou em janeiro um PL e um projeto de lei complementar (PLC) sobre a cessão de imóveis.

O PL 2/2019 trata da cessão para a Justiça Eleitoral de um terreno do Judiciário em Guaramirim. No local, será instalada a sede da 60ª Vara Eleitoral.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?