Parte da programação da 46ª Assembleia da Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (Assemae), que está ocorrendo em Jaraguá do Sul desde segunda-feira, uma mesa redonda na tarde de ontem debateu as políticas públicas de resíduos sólidos no país. O encontro contou com a participação de representantes do governo federal, da Prefeitura de Porto Alegre, do Ministério Público e do prefeito Dieter Janssen, que apresentou o Recicla Jaraguá em palestra na Scar.

Os índices do Recicla Jaraguá são mesmo um exemplo para a grande maioria das cidades brasileiras. De 3% de lixo enviado à reciclagem em 2013, o número saltou para uma média de 16% até agora, com a ambição de alcançar o índice máximo de 30% nos próximos anos. A reciclagem alimenta uma cadeia com impactos ambientais e sociais. Hoje, são mais de 200 pessoas trabalhando no município nas cooperativas de lixo. Mais de 10 mil toneladas de resíduos deixaram de ir para o aterro em função do programa simbolizado por uma sacola verde que deve ser distribuída por supermercados nos próximos meses.

Mostrando satisfação com os resultados conquistados até agora, o prefeito Dieter Janssen adiantou quais devem ser os próximos passos para aumentar a sustentabilidade no município, que já é referência em economia e inovação. Duas questões devem ser priorizadas: o incentivo à compostagem, com campanhas de esclarecimento e divulgação, e, com a estruturação das cooperativas, a ideia é que a cidade seja dividida por regiões e que os próprios recicladores sejam responsáveis pela coleta, o que os aproximará da população e pode fazer com que o índice de lixo reciclado aumente ainda mais.

No panorama nacional, ficou claro que gestão compartilhada dos resíduos, projeto desenvolvido há anos dentro da Amvali e ainda não colocado em prática, é a grande tendência e solução natural para os municípios que sozinhos não conseguem arcar com os altos custos iniciais de um projeto assim. Hoje, cerca de 1.500 cidades brasileiras já fazem a gestão compartilhada. O Vale do Itapocu não tem mais tempo a perder.

* * *

Fraternidade e saneamento

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Padre Diomar Romaniv entre os prefeitos Lauro Fröhlich e Dieter Janssen, o presidente do Samae, Ademir Izidoro, o secretário de Estado Carlos Chiodini, o empresário Antídio Lunelli, o secretário de Administração Ademar Possamai, o vice-prefeito Jaime Negherbon  e o deputado Vicente Caropreso, durante evento do Assemae.

* * *

Vagas nas creches

O vereador Amarildo Sarti (PSDB) voltou a defender que a Prefeitura compre vagas nas creches particulares para diminuir o déficit na rede pública. Atualmente, a fila de espera tem cerca de 800 crianças. Segundo o vereador, o município pode adotar critérios específicos e fazer a contratação por chamada pública. Levantamento apresentado no plenário mostrou que o custo de uma criança em período integral é de R$ 945 na creche pública, enquanto na privada a média fica entre R$ 600 a R$ 870. O estudo feito pelo gabinete do parlamentar está à disposição do governo e deve fazer parte das propostas eleitorais do PSDB.

* * *

Economia de R$ 2 milhões
Segundo balanço divulgado ontem pela Secretaria de Administração, a economia gerada em sete meses de turno único na Prefeitura de Jaraguá do Sul ultrapassou os R$ 2 milhões, média de R$ 250 mil ao mês, com a redução de despesas envolvendo telefone, água, luz, combustível e material de expediente. O número é considerado positivo. A partir de 1º de junho, o expediente volta ao horário normal no Paço para atender demanda principalmente de Obras.

* * *

Inveja

"Durante abertura do evento da Assemae, o prefeito de Joinville, Udo Döhler (PMDB), admitiu sentir inveja da realidade do saneamento básico na vizinhança. Enquanto Jaraguá do Sul tem capacidade para tratar mais de 80% do esgoto, a maior cidade do Estado deve chegar aos 30% apenas em 2018."

* * *

Em Guaramirim

A aliança em torno da candidatura de Nilson Bylaardt à Prefeitura de Guaramirim deve contar com 36 candidatos a vereador. Do PMDB, serão 12 homens e seis mulheres. A outra nominata deve ser formada pelo Solidariedade, PTB e PCdoB, também com 18 candidatos à Câmara. Aos aliados, Bylaardt projeta que o grupo fará de cinco a seis vereadores, além de prefeito e vice. Barba, cabelo e bigode.

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO