Os dois deputados estaduais jaraguaenses Carlos Chiodini (PMDB) e Vicente Caropreso (PSDB), que abriram mão de suas cadeiras no Legislativo para compor o governo de Raimundo Colombo (PSD), reassumem nesta quarta-feira (6) suas vagas na Assembleia para apresentar e votar as emendas impositivas que farão parte do Orçamento do Estado, projetado em R$ 26,4 bilhões, para o próximo ano.

Cada parlamentar terá direito a indicar investimentos na ordem aproximada de R$ 5 milhões, sendo que ao menos 75% dos recursos devem ser destinados para saúde e educação. Caropreso adianta que entre suas indicações devem estar recursos para instalação de painéis fotovoltaicos na Apae de Jaraguá do Sul e para custeio do abrigo de menores.

“É um momento importante, que exige a presença do deputado em respeito ao eleitor e às instituições”, diz Caropreso, que já na sexta-feira retorna à Secretaria de Saúde, onde diz viver “em alta rotação contínua. É como trocar o pneu com o carro andando”, compara o jaraguaense sobre a falta de recursos e a grande demanda por serviços da pasta.

A equipe de Chiodini também trabalha nas indicações que beneficiarão a região. A lei prevê que 1% do Orçamento geral do Estado, sempre do ano anterior, seja destinado para as emendas impositivas dos 40 deputados catarinenses. Esses recursos, disputados pelos prefeitos, beneficiam todas as regiões e não deixam de ser um instrumento político poderoso dos parlamentares.

NÃO AO FECHAMENTO 

Na tribuna desta terça-feira (5), o vereador Anderson Kassner (PP), que vem liderando os trabalhos contra o fechamento da Fazenda em Jaraguá, ressaltou a importância da atuação unificada das lideranças da região. Ofício contendo assinatura dos parlamentares, de prefeitos, deputados e representantes da classe empresarial será encaminhado ao governador Raimundo Colombo (PSD).

Governo mostra força na Câmara de Vereadores

A base aliada mostrou unidade mais uma vez ontem ao aprovar projeto do Executivo que altera o valor venal dos imóveis em Jaraguá do Sul e terá reflexo direto na cobrança do IPTU no próximo ano. Desde o governo de Cecília Konell a atualização não acontecia e, na época, a nova tabela se restringiu aos bairros periféricos. Votaram contra Arlindo Rincos (PSD), Ronaldo Magal (PSD) e Ademar Winter (PSDB). Os dois primeiros poderiam ter pedido vistas para adiar a análise da matéria, mas não fizeram. A segunda votação ocorre na quinta-feira.

Homenagem na Câmara 

Ex-presidente da Câmara, o farmacêutico Luiz Zonta recebeu homenagem do Legislativo, atendendo indicação do vereador Eugênio Juraszek (PP). Na foto, Zonta e Juraszek com o vice-prefeito Udo Wagner (PP).

EM FOCO

- Caropreso diz que fará um esforço ainda maior nas próximas semanas para entregar a casa arrumada ao próximo secretário da Saúde. O jaraguaense fica no cargo até dezembro e deve limpar as gavetas no início de janeiro. Antes disso, fará um balanço das ações.

- A previsão é que a Secretaria da Fazenda do Estado faça um aporte grande na Saúde nos próximos dias. Atualmente, a pasta não está recebendo o mínimo constitucional. Uma das preocupações de Caropreso é o pagamento da folha e custeio das Organizações Sociais e Samu, algo ao redor de R$ 40 milhões ao mês.

- Aos 101 anos de idade, o ex vice-governador Victor Fontana (na administração de Amin, em 83), faleceu na madrugada de ontem. Gaúcho de Santa Maria, ficou conhecido no Estado quando, em Concórdia a convite do empresário Atílio Fontana, introduziu modernas técnicas de criação de suínos e aves. Também foi secretário da Agricultura, deputado federal, presidente da Celesc e presidente do Besc.

- “Reformar a Previdência é, de fato, crucial, mas isso tem de ser feito do jeito certo. Não como parte de um impopular e pouco compreendido ajuste fiscal de curto prazo, em que se faz um esforço enorme para mostrar economia de gastos em alguns anos logo à frente”. Consultor econômico Raul Velloso, que palestrou em reunião da Fiesc, na terça.

O comando nacional do PMDB anunciou que a sigla fechou questão a favor da Reforma da Previdência. Porém, deve haver reação. Entre os cinco deputados federais do partido por SC não há unanimidade. O próprio presidente do partido, Mauro Mariani, tem resistência.