Interina: Verônica Lemus

O governador eleito Carlos Moisés da Silva (PSL) anunciou nesta segunda-feira (3) a nova estrutura administrativa do Estado.

Das atuais 15 secretarias, o número passa para dez, com a extinção das pastas de Planejamento e do Turismo, Cultura e Esportes, que serão incorporadas por outras secretarias.

Segundo Moisés, o objetivo é eliminar o que chama de sobreposição de cargos e dar agilidade aos procedimentos.

O governador eleito recebeu a imprensa no Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cigerd), em Capoeiras, na Capital, ao lado da equipe de transição, comandada pelo professor Luiz Felipe Ferreira.

Em seu discurso, Moisés destacou os conceitos de agilidade e transparência que servirão de base para a sua gestão.

"Após 30 dias de trabalhos intensivos, este grupo apresentou um relatório que aponta para um estado eficiente, mais enxuto, sem sobreposição nos cargos e economicamente sustentável. Primeiro definimos a estrutura de governo e agora vamos definindo os nomes", informou Carlos Moisés.

Entre as novidades da nova estrutura, está a criação de um conselho integrado permanente de segurança, composto por representantes dos quatro órgãos que compõem a Segurança Pública estadual: Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e Instituto Geral de Perícias. Haverá um rodízio no comando da pasta, com cada um acumulando o cargo de secretário por um ano.

Também foram apresentados os quatro primeiros secretários do futuro governo, com duas reconduções ao cargo: para a secretaria da Fazenda, retorna Paulo Eli, funcionário de carreira, e Leandro Lima, também servidor estadual atualmente à frente da Secretaria de Justiça e Cidadania, volta ao secretariado para comandar a pasta substituta, de Administração Prisional e Socioeducativa.

Os outros dois novos nomes anunciados foram para a Secretaria da Saúde, com a indicação do Tenente Coronel dos Bombeiros, Helton de Souza Zeferino, e para a Administração, o Tenente Coronel da PM, Jorge Eduardo Tasca.

Novas secretarias:

  • Fazenda
  • Administração
  • Desenvolvimento Econômico Sustentável
  • Administração Prisional e Socioeducativa
  • Educação
  • Agricultura e Pesca
  • Saúde
  • Segurança Pública
  • Desenvolvimento Social
  • Infraestrutura e Mobilidade

Começa formação do futuro governo

Governador eleito, Carlos Moisés (centro), apresentou nova estrutura administrativa, nesta segunda-feira, em Florianópolis.

Com redução de quinze secretarias para dez, Moisés mantém discurso de campanha de enxugamento da máquina e fala em torna-la mais eficiente.

Prestação de contas

Nesta terça-feira, o presidente da Comissão Central Organizadora da 30ª Schützenfest, Alcides Pavanello, apresenta na Câmara o relatório final da festa.

Números de público, consumo de bebidas e gastronomia, receitas e despesas da festa, que ocorreu entre os dias 8 e 18 de novembro, estão entre as informações a serem apresentadas.

Repasse atrasado (1)

O governo do Estado tem um valor em aberto de R$ 791,5 mil com a Prefeitura de Jaraguá do Sul. É o que mostra estudo feito pela Federação Catarinense de Municípios (Fecam).

O valor é referente a um convênio firmado em 2016, no valor total de R$ 1,1 milhão, sem contrapartida para o município. Até o momento, apenas R$ 358,3 mil foram quitados.

Convênios em xeque (2)

A conta em aberto com Jaraguá do Sul é uma parte do total de R$ 85 milhões que o Estado falta pagar para a conclusão de obras e convênios em execução nos municípios catarinenses, cujo prazo encerra agora no fim do ano de 2018.

A preocupação dos gestores públicos é com o prazo final que as prefeituras têm para receber os valores referentes a esses convênios.

Interdição (1)

O prédio da rodoferroviária de Guaramirim deve ser interditado. A equipe técnica da Secretaria de Planejamento realizou uma vistoria no local e constatou a situação precária da estrutura. No entanto, a interdição ainda não foi oficializada.

Até o fim desta semana um parecer deve ser emitido. Enquanto isso, a secretaria já está em contato com as empresas de transporte para verificar um novo local para que a população não fique sem o serviço.

Repercussão (2)

Na Câmara, o vereador Osni Bylaardt (MDB) lamentou a interdição e pediu atenção especial para o prédio, que teria mais de 100 anos. Para o parlamentar, não haveria dificuldades para o Município fazer as melhorias, o que seria melhor do que esperar pelo governo federal.

Usina de lixo (1)

Os vereadores de Guaramirim participaram de mais uma visita técnica à usina de gaseificação de resíduos sólidos, em Mafra.

A empresa, responsável pelo convite, projeta a instalação de uma unidade no município. O debate, que segurou a aprovação de projeto de lei autorizando a instalação, gira em torno do local para o futuro empreendimento.

Debate (2)

Enquanto o vereador Charles Longhi (MDB) é contrário à instalação na área industrial, por estar muito próxima de residências, o presidente da Câmara, Ernesto Friedemann (PP) defende que o projeto seja autorizado, para então ouvir as cooperativas de reciclagem e realizar audiência pública para definir um local.

Conta vendida

O vereador Adilso Comim (PSD) levantou na tribuna da Câmara a intenção do prefeito de Guaramirim, Luís Antônio Chiodini (PP), de vender as contas dos servidores para outro banco.

No entanto, a Prefeitura informa que as negociações foram feitas entre junho e julho e o banco Bradesco foi o vencedor, com o valor de R$ 1,605 milhão, pagos em agosto.

Antes, a folha de pagamento ficava a cargo da Caixa.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?