O processo de urbanização conjugado com a massificação dos automóveis, tornou a logística tradicional de transporte das cidades, morosa e perigosa. Foi com o intuito de contornar esse gradativo problema, e atender uma demanda cada vez mais crescente por um fluxo mais ágil de transporte, que o exército britânico desencadeou a função de motoboy lá no começo do século 20, que na época transportava informações militares importantes.

Vem daí a origem dessa função, que aqui no Brasil se intensificou em São Paulo, a partir da década de 1980. Não há profissional que não tenha sua importância na sociedade. O motoboy, em particular, contribui sobremaneira por se adequar e corresponder ao frenético fluxo e ritmo da economia da cidade, movimentada pela indústria, comércio e serviços.

Especificamente em Jaraguá do Sul, verificou-se um crescente aumento do número de entregadores a bordo de motocicletas, notadamente após o início da pandemia da Covid-19. Obviamente, por se tratar de uma cidade com grande densidade de veículos e empresas, esta atividade tende a continuar crescendo.

Isso ascende o alerta para as questões de proteção e regulamentação. Imprescindível se faz garantir a segurança estabelecida por lei para a dignidade do operador. Outrossim, o incremento da demanda por este serviço, deve exigir, também, maior atenção por parte dos condutores de veículos, sobretudo, no que tange aos corredores, já que os índices de acidentes relacionados, também têm crescido.

É preciso que seja uma responsabilidade de mão dupla, para que possa reinar a paz no trânsito. Tendo como propósito valorizar essa classe, o OCP apresenta ao leitor uma matéria que aborda um pouco da realidade dessa profissão em Jaraguá do Sul.