Por Nelson Luiz Pereira_conselheiro editorial do OCP

Uma das premissas para o crescimento econômico sustentável de qualquer país, é a capacitação e produtividade de sua mão de obra. Infelizmente, o padrão brasileiro ainda é baixo, se comparado aos Estados Unidos e países da União Europeia.

Não há como reverter essa realidade sem investimento consistente e inteligente em educação profissional. Se considerarmos que nos países retro citados, 50% a 70% dos estudantes do ensino médio acumulam cursos profissionalizantes, fica fácil deduzir a distância que o Brasil ainda precisa percorrer.

O mundo já adentrou a quarta revolução industrial, e a competitividade dos países dependerá, sobremaneira, do potencial de formação e qualificação de mão de obra que atenda as novas necessidades da chamada “indústria 4.0”.

Por isso, há que que se inverter a lógica sistêmica de priorizar investimentos no ensino superior, em detrimento do fundamental, médio e profissionalizante. Ajustando o foco para nossa localidade, revela-se aqui uma realidade diferente do contexto nacional.

A concentração industrial e tecnológica que caracteriza a região, viabiliza o ensino profissionalizante, além de proporcionar o caminho mais rápido para o primeiro emprego no mercado de trabalho. Em meio a este contexto, em que pese a longa espera de mais de sete anos, inaugurou-se no dia de ontem, em Guaramirim, o Centro de Educação Profissional (Cedup).

Certamente esta nova instituição se orientará na missão de transformar o ensino de conteúdos em competências para os novos conceitos trabalho. Com isso, estará, por conseguinte, proporcionando meios ideais para que o educando seja protagonista de seu aprendizado, de sua formação técnica e de sua carreira profissional.

 

Telegram Jaraguá do Sul