Que o mundo coorporativo está em constante movimento todos já sabemos, assim como que as transformações atuais chegaram em um ritmo mais acelerado do que pensávamos e que as pessoas precisam se adaptar às novas tecnologias e modelos de gestão.

Contudo, o que ainda podemos aprimorar é como agir diante disso tudo para obter sucesso, solidez e prosperidade nos negócios.

Não se admite mais ignorar a tecnologia e a inovação! Um negócio que não olha com seriedade para a Indústria 4.0 corre um grande risco de enfrentar dificuldades em um futuro muito próximo.

Empresas e gestores precisam aprimorar cada vez mais a interação com a tecnologia em diversas frentes, estruturar a empresa não se restringe mais aos binômios, receitas x despesas, vendas x produção, controle x estoque, entre outros...

Hoje em dia, é indispensável se preocupar, por exemplo, com uma boa estrutura de tecnologia de informação, esse deve ser um investimento prioritário, pois ela que vai suportar e garantir o funcionamento de um firewall robusto que realmente proteja o funcionamento dos sistemas, bloqueando invasões que podem levar grandes corporações ao colapso, além de ficarem reféns de quadrilhas digitais que negociam o desbloqueio desses ataques por cifras altíssimas.

Primeiro passo dado, volta-se a atenção para posicionar a empresa no mundo digital, trabalhar com o marketing em uma linguagem atual, dinâmica e objetiva, saber o momento e a melhor forma para impulsionar os anúncios, identificar o público alvo, o melhor horário e forma de divulgar e, claro, acompanhar ativamente todo esse movimento para impulsionar as vendas através de um e-commerce bem elaborado, seguro e efetivo, somado a um site de fácil acesso, interativo e de boa visualização.

Os próximos passos seguem no cerne da Indústria 4.0, basicamente objetiva automatizar o máximo de tarefas, armazenar dados e facilitar processos.

As fábricas dessa era, denominadas inteligentes, terão capacidade autônoma de revisar os processos e aprimorar resultados, otimizar o aproveitamento das matérias primas, agendar manutenção dos equipamentos evitando ao máximo pausas não programadas no processo produtivo, reorganizar toda linha de produção sem perder a eficiência e o comprometimento com os clientes diante do cronograma de pedidos e prazos de entregas.

Mas não é “só” isso! A presente revolução industrial vem acompanhada da internet das coisas, que promete revolucionar hábitos centenários, alterar costumes e interferir diretamente na forma e necessidade de consumo da população, com reflexos diretos no processo produtivo e planejamento das empresas.

Essa conexão constante e global, onde operações ocorrerão em tempo real em tudo que se possa imaginar, nos conduz para outro cuidado indispensável que diz respeito ao tratamento dos dados de clientes, fornecedores, funcionários e tantos outros.

A proteção de dados é prioridade máxima em vista da lei que entra em vigor e do diferencial de confiança que essa providência vai gerar no mercado, pois, em breve quem não garantir segurança dos dados não terá condições de se manter no mercado globalizado.

Diante de tudo isto, a melhor atitude é aproveitar o embalo da Indústria 4.0 para investir em novas tecnologias, aprimorar os processos através da inovação, aplicar soluções autônomas, garantir melhores resultados e sair à frente na alta competividade empresarial.

A Indústria 4.0 deve ser aliada das empresas para através dela alavancar os negócios e aumentar o sucesso do empreendimento.

Texto elaborado pelo advogado Patrick G. Mercer, inscrito na OAB/SC sob o n.º 54.051A. Pós-graduado em Direito Processual Civil e atuante nas áreas de Direito Empresarial, Direito Civil, Direito Tributário, Planejamento e Gestão de Passivos na Mattos, Mayer, Dalcanale & Advogados Associados. Presidente da Comissão de Direito Empresarial da subseção da OAB de Jaraguá do Sul/SC.