As mudanças no mercado atual estão cada vez mais em evidência. Estudos realizados por especialistas da área comercial apontam que hoje o consumidor detém significativo controle do mercado, e sua interação para com as marcas não é a mesma que adotava há alguns anos atrás.

Se ontem o varejista focava seus esforços apenas em vender, hoje enfrenta um desafio muito maior: entender as dores e o comportamento do cliente, descobrir qual algoritmo determina a decisão de compra e a escolha do canal, tudo com o intuito de se adequar ao mercado, prevendo demandas e proporcionando ao cliente a melhor experiência de compra, para ao final conquistar sua fidelidade.

Justamente neste ponto a tecnologia aplicada ao comércio se mostra uma grande aliada do varejista. Lojas físicas que mantém canais de vendas e interação online vêm apresentando crescimento expressivo no faturamento.

Especialistas em negócios apontam que se uma loja física recebe diariamente a visita de 10 (dez) clientes, o canal de vendas virtual desta mesma loja, seja ele Instagram, blog, site ou aplicativo, receberá o dobro e facilmente o triplo de acessos no mesmo período de tempo.

O cenário mercadológico atual aponta para a crescente expansão do segmento de negócios tecnológicos. As empresas virtuais e Startups têm apresentado um crescimento e ampliação de lucros exponencial, uma vez que adotam modelo de negócio que se inicia através de um mínimo produto viável (MVP), ou seja, entregam ao consumidor final um produto ou serviço produzido com o menor custo possível, a fim de validar a viabilidade da ideia sem onerar muito o procedimento, neutralizando grandes riscos.

Os ambientes virtuais e toda a facilidade que as ferramentas tecnológicas são capazes de proporcionar tem alterado drasticamente o pensamento do consumidor atual, que se sente cada vez mais confortável em pesquisar produtos e serviços em lojas virtuais e fazer suas compras online.

Este comportamento do consumidor é mapeado por estudiosos do mercado como uma tendência comercial que tende a se consolidar ainda mais. A inovação do varejo e de todo o segmento, além de uma necessidade, passa a ser também uma oportunidade de conquistar destaque para o varejista que ousar e “sair na frente”.

Estudos realizados pela CNC (Conferência Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) apontam que em 2018 as vendas no varejo cresceram 4,5%, prevendo um aumento de 5,2% para 2019. Em contrapartida, o E-Commerce no Brasil cresceu 12,1% apenas nos primeiros seis meses de 2018, faturando R$ 23,6bi, sendo esperada uma expansão de 16% para 2019.

Hoje o mercado está aberto às inovações e novas tecnologias, e preza pela facilidade na hora de comparar preços e fazer compras sem sair de casa.

Não é novidade que quanto mais um negócio entende e se amolda ao perfil do cliente, maiores são suas chances de segmentar-se adequadamente, agregando valor ao perfil da empresa.

Investir nas novas inteligências de mercado tem se revelado o conselho do sucesso: desenvolver estratégias efetivas, obter o melhor retorno, e, por fim, aumentar a lucratividade e atingir o sucesso.

Texto elaborado pelo Dr. Ricardo Luis Mayer, advogado pós-graduado em Direito Empresarial e Direito do Trabalho e sócio da Mattos, Mayer, Dalcanale & Advogados Associados. Atua nas áreas de Direito Empresarial e Direito Trabalhista.