Passados 10 dias do arquivamento do Projeto que estabeleceria o Código de Ética dos vereadores de Jaraguá do Sul, o presidente da Câmara Marcelindo Gruner (PTB) afirmou em entrevista à coluna que foi lamentável o arquivamento, mas que não vai desistir do projeto. Gruner pretende colocar em votação novamente entre maio e junho do próximo ano.

O código que começou a ser constituído no começo do ano pela mesa diretora da Câmara jaraguaense e com a participação de técnicos, foi apresentado a todos os vereadores antes de ser colocado em votação no dia 12 de novembro. O projeto traz regras de conduta para serem seguidas pelos vereadores dentro e fora da Câmara.

Ofensas físicas e morais e desacato a servidores e outros vereadores, assim como perturbação durante as sessões não seriam toleradas, podendo levar até à perda temporária ou definitiva do mandato.

Segundo o presidente da Câmara, a intenção da proposta foi de disciplinar a conduta dos parlamentares, para que sejam éticas e compatíveis com a função dos vereadores que é a de representar o cidadão jaraguaense.

“A sociedade clama por mudanças e não adianta só cobrar de Brasília ou do Estado, tem que começar por aqui, dentro da Câmara” comenta.

Grune ressalta ainda que atualmente não há punições previstas em lei municipal para ações antiéticas e não compatíveis com o decoro parlamentar dos vereadores, destacando ainda que o projeto é inédito em Jaraguá do Sul.

Os opositores

A proposta que foi à votação no dia 12 recebeu cinco votos favoráveis de: Anderson Kassner (PP), Celestino Klinkoski (PP), Eugênio José Juraszek (PP), Marcelindo Carlos Gruner (PTB) e Pedro Anacleto Garcia (MDB) e quatro abstenções de: Arlindo Rincos (PSD), Isair Moser (PSDB), Ronaldo Magal (PSD) e Rogério Jung (MDB) e um voto contrário de Ademar Winter (PSDB). O vereador Jakson de Ávila (MDB) não esteve na sessão por conta da morte de um parente.

Ao ser questionado sobre os vereadores que se abstiveram e outro que votou contra, o presidente da Câmara comenta que novamente o projeto do Código de Ética deve ser discutido com todos os vereadores e analisadas emendas apresentadas como já ocorreu este ano.

“Somos servidores do povo e estamos recebendo por isso, portanto, precisamos ter uma conduta adequada como políticos. É uma mudança de paradigma e que merece uma reflexão de quem não apoia o projeto”, finalizou.

Confira a entrevista:

Lunelli em Brasília

O prefeito de Jaraguá do Sul Antídio Lunelli (MDB), está em Brasília desde quarta-feira (20) para uma série de compromissos. Na pauta, a captação de recursos para o município e as discussões que estão sendo tratadas em Brasília, como as reformas. A viagem foi paga com recursos próprios do prefeito. Lunelli conversou com o deputado Carlos Chiodini (MDB) sobre sua preocupação com a simplificação tributária no Brasil e a diminuição de impostos.

Empresário Jonathan Garcia, prefeito Lunelli, presidente da OBA de Jaraguá do Sul Gustavo Pacher e Secretário de Administração Argos Burgardt em Brasília | Foto Divulgação

Novo partido do presidente

Nesta quinta-feira (21), o prefeito de Jaraguá participou da Convenção da Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado pelo presidente Jair Bolsonaro e aliados. Segundo o prefeito, o objetivo foi entender o cenário político brasileiro e debater ideias.

“Precisamos ter informação, conhecimento, para tomar as melhores decisões. Entrei na vida pública para contribuir. É essa meta que persigo todos os dias. Bolsonaro é o presidente do Brasil, está liderando mudanças importantes, mudanças estruturais, que precisavam ser feitas”, disse e acrescentou que o Brasil tem grandes desafios para ser uma nação de mais oportunidades.

Sobre as especulações de que estaria deixando o MDB, o prefeito de Jaraguá do Sul diz que isso está fora de cogitação.

“Não estou preocupado com partido, nem com eleição, acredito que as boas causas não dependem disso, dependem mais de pessoas dispostas a fazer o que é certo e da sociedade apoiar. Espero ter a oportunidade de conversar com o presidente, ele teve cerca de 80% dos votos em Jaraguá do Sul e temos o direito de saber qual será o caminho”, ressaltou.

 

Segurança em pauta

Em reunião com o comandante geral da PM e secretário de Segurança Pública do Estado, coronel Araújo Gomes, ontem em Florianópolis, o prefeito de Guaramirim Luís Antônio Chiodini (PP) além de falar sobre os convênios de segurança pública para o município e região da Amvali, entregou um exemplar do jornal O Correio do Povo ao comandante.

Na edição de quinta-feira (21) foi publicada a matéria: “O policial militar foi um anjo enviado por Deus”, diz vítima de assalto, que descreve o assalto em um mercado do bairro Nereu Ramos em que resultou na prisão de dois assaltos numa ação de um policial que voltava do serviço. Araújo destacou que o policial nunca deixa de cumprir com sua responsabilidade e obrigação, mesmo estando de folga.

Foto: Divulgação

Segunda Instância

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (20), a proposta de emenda à Constituição que permite a prisão após a condenação em segunda instância (PEC 199/19).

O texto aprovado diz que a ação penal se encerra na segunda instância, onde ocorre o trânsito em julgado.

Foram 50 votos favoráveis e 12 contrários. A votação foi possível depois que a relatora da matéria, a deputada catarinense Caroline de Toni (PSL), considerou inadmissíveis outras duas propostas que alteravam o artigo 5º da Constituição. Deputados do PT, PSOL, PCdoB e PROS votaram contra o texto.

 

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger