Os telhados embutidos são aqueles onde as platibandas escondem o telhado e, assim, ele pode ser feito de materiais mais simples, conferindo um aspecto contemporâneo à edificação.

A estrutura da cobertura pode ser metálica, que traz muitos anos de vida sem manutenção, como pode também ter um madeiramento mais econômico, com madeiras de menor espessura, devido as telhas terem menor peso.

Um cuidado importante neste tipo de telhado é a colocação de calhas e rufos metálicos, para evitar infiltrações.

A vantagem deste modelo é que ele está alinhado ao processo de construção moderno, e quando executado de forma correta, traz um resultado estético diferenciado, e em relação ao seu custo ele usa pouca madeira, ou nenhuma, e pode usar telha de fibrocimento, porém é importante a colocação de manta térmica para aumentar o conforto térmico nos dias de sol mais intensos.

Por outro lado, quando as telhas podem ser vistas como um todo ou pelo menos em partes, são denominados telhados aparentes e confere um aspecto mais tradicional à residência, sendo muito utilizado em nossa região.

Seja qual for o tipo de telhado adotado, ele é dividido em partes que são chamadas de águas, cuja função é escoar a água da chuva e sua quantidade depende do tamanho da edificação e outras características, como a estética.

Foto Divulgação/Eixo 11

Telhados com uma água geralmente são aplicados em construções que ficam nos fundos do terreno (denominadas edículas) ou juntamente com telhados embutidos.

Telhados com duas águas são os mais comuns, utilizados em residências maiores, o telhado é dividido por uma linha central, chamada de cumeeira. Por fim, quando o telhado possui três ou mais águas geralmente é devido a estética.

Além de decidir se o telhado é aparente ou embutido e a quantidade de águas, deve-se atentar ainda para o modelo de telha que será aplicado, que pode ser telha cerâmica (mais comum e com bom conforto térmico, porém deve ser aplicada uma a uma e deve possuir uma inclinação específica), policarbonato (que permite a passagem de iluminação natural, mas também escuta-se o barulho da chuva), vidro (mais elegante, permite a total passagem de iluminação natural e não passa o barulho da chuva) ou fibrocimento (mais econômicos e de rápida instalação, porém não é esteticamente atraente e permite a passagem de calor).

Pode-se ainda ser utilizado telhados verdes, que são um modelo mais complexo, mas que está conquistando seu espaço, deve ser construindo em cima de laje impermeabilizada e com camadas específicas de acordo com a vegetação que será implantada.

Artigo escrito pelas arquitetas e urbanistas Jeanita Bonato (CAU/SC A135996-7) e Mariana Silva (CAU/SC 199214-7).

-

Onde encontrar a Eixo 11: rua Pres. Juscelino, 45, Ed. Ana Isabel, sala 02, Centro de Jaraguá do Sul • (47) 3370-0070 • 9 9942-6030 | FacebookInstagram