Fim de ano: cuidados necessários para viajar com animais de estimação

Foto: Pixabay

Por: Maria Luiza Venturelli

13/12/2022 - 09:12 - Atualizada em: 23/05/2024 - 10:46

O mês de dezembro chegou e para muitas pessoas esse período representa um tempo de viagem para curtir aquelas tão sonhadas férias. Quem é dono de um animal de estimação nem sempre tem condições de levá-lo junto, mas quando tem essa oportunidade, é necessário saber que viajar com segurança com cães e gatos exige cuidado e orientação de médicos veterinários.

  1. Faça um check-up no veterinário

Foto: Pixabay

Antes de viajar, é muito importante levar o pet ao veterinário para realizar uma consulta de rotina e verificar se ele está apto e saudável para viajar. Isso evitará estresses que prejudiquem o bem-estar do seu animal de estimação durante o percurso.

Além disso, é comum que muitos pets sintam enjoos durante a viagem, por isso é preciso conversar com seu veterinário para buscar alternativas e medicamentos para aliviar enjoos e qualquer tipo de mal estar.

O Guia de Trânsito Animal (GTA) é o documento oficial usado para transporte de animais domésticos para o exterior, que garante a boa saúde do pet e o habilita a viver em um novo ambiente. De acordo com o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), em viagens nacionais por via terrestre, aquática ou aérea, basta levar o atestado sanitário, emitido por um médico veterinário.

O veterinário deve verificar se o bichinho de estimação apresenta sinais de doenças infecto contagiosas ou ectoparasitas. O CFMV também avalia a presença de doenças endêmicas e zoonóticas, a exemplo da leishmaniose. Para os percursos nacionais, a validade dessa documentação é de dez dias e, para o exterior, vale por três dias.

  1. Caixa de transporte

Foto: Shutterstock

Outra dica para planejar uma viagem segura com o seu melhor amigo de quatro patas é estar atento ao tipo de transporte. Alguns meios de transporte possuem restrições e regras para viagem com pets.

Carro

Em viagens de carro, não é permitido que o animal fique solto no carro ou com a cabeça para fora da janela, pois isso pode prejudicar a saúde do pet e também a direção. Nestes casos o tutor deve optar por cintos e cadeirinhas ou caixa de transporte para animais de pequeno porte.

Também é recomendado fazer pequenas pausas durante o percurso para que o animal possa descansar, beber água e fazer necessidades.

Ônibus

Para viagens de ônibus, é preciso entrar em contato com a empresa para verificar quais são as regras, pois elas variam de acordo com a companhia. Em algumas empresas, é preciso que o tutor pague uma passagem exclusiva para pets e o número permitido de animais em uma viagem é limitado, além disso, é indispensável o uso da caixinha transportadora.

Avião

As principais companhias aéreas brasileiras, como Latam, Azul e Gol, permitem que cães e gatos de pelo menos quatro meses de idade viajem dentro do avião. Outras espécies de animais, porém, podem ser transportadas nos braços cargueiros destas companhias.

O número de animais de estimação dentro dos voos também é controlado: voos da Azul, por exemplo, aceitam um pet para cada passageiro. A bordo são permitidos apenas até três animais em voos domésticos e cinco em voos internacionais.

A maior parte das companhias aéreas não permite que cães e gatos braquicefálicos (pugs, bulldogs, shih tzus, boxers, entre outros) sejam transportados no porão, pois são raças sensíveis às condições adversas que podem surgir nesta parte da aeronave.

  1. Destinos pet friendly

Foto: Pixabay

Hoje em dia, existem diversos destinos pet friendly, que não só aceitam animais, como incentivam os donos a levá-los para viagens. E, graças à adaptação de companhias aéreas, hotéis, pousadas, pontos turísticos e até mesmo restaurantes, essa possibilidade é cada vez mais viável para os tutores.

Antes de viajar, o ideal é verificar se o destino escolhido tem ambientes acolhedores para animais de estimação, assim, você evita estresses e garante o bem-estar do seu amigo de quatro patas.

Veja outras dicas:

Foto: Pixabay

  • Não dê ração ou qualquer tipo de alimento ao cão quatro horas antes do percurso e água uma hora antes. Com gatos, o jejum é de duas horas antes da viagem;
  • Se prepare para possíveis necessidades fisiológicas. Também é necessário levar um pouco de água para hidratação;
  • Leve acessórios para que o bichinho se sinta em casa. Em caso das caixas de transporte, coloque o próprio cobertor do animal como forro para reforçar a ideia da casa;
  • Se a viagem for de carro, dê algumas voltas antes com o seu animal por pequenas distâncias, para ele ir se acostumando;
  • Mantenha a temperatura do carro próxima à temperatura externa, evite ar-condicionado na temperatura mínima.

 

Notícias no celular

Whatsapp

Maria Luiza Venturelli

Jornalista apaixonada por contar histórias inspiradoras, formada pela Faculdade Ielusc