https://www.youtube.com/watch?v=_1tvpeKKcns&feature=youtu.be   Texto e foto: William Fritzke O IGP (Instituto Geral de Perícias) junto da equipe da DIC (Divisão de Investigações Criminais de Jaraguá do Sul) realizou na tarde desta segunda-feira (12), a reconstituição do crime que resultou na morte de Thiago Nunes, de 18 anos, assassinado com dois tiros na cabeça por dois homens, um deles menor de idade, no dia primeiro de agosto de 2016, no bairro Amizade. Três reconstituições foram feitas, uma com o suposto autor dos tiros fatais, um rapaz que na época era menor de idade e agora responde em liberdade (ele estava acompanhado pelo seu advogado); um maior que na época pilotava a moto usada pela dupla e que está no presídio de Jaraguá do Sul (ele também estava com o advogado) e uma testemunha. Além dos policiais da DIC, o promotor de justiça Rafael Luz também acompanhou todo o desenrolar. Ele está substituindo o promotor Márcio Cota, que está de férias. Todas as três versões foram diferentes uma da outra e principalmente as versões dos suspeitos são diferentes das apresentadas no dia na delegacia. Primeiramente, o menor havia dito que teria atirado e que estava com a arma. Na nova versão, a arma estava com a vítima que tentou sacar ao ser abordada e foi desarmada. O motivo do homicídio seria uma briga por causa de uma mulher. Os presos já tinham passagem, assim como a vítima, que acumulava diversos boletins de ocorrência. O maior aguardará ao júri popular preso e o então menor, em liberdade. Relembre o caso Thiago Nunes, de 18 anos, morreu assassinado na rua Augusto Schwartz, no bairro Amizade, por volta das 13h15 de segunda-feira (1/8/2016). Moradores relataram que dois homens em uma motocicleta mataram o jovem que estava de bicicleta. Conforme informações divulgadas no relatório policial da época, dois homens abordaram Thiago, sendo que enquanto um segurava o mesmo, o outro teria efetuado dois disparos de arma de fogo contra a vítima na cabeça. Ao chegarem no local, as guarnições constataram que a vítima, de 18 anos,  já encontrava-se morta. A PM também relatou que os dois agentes fugiram em uma motocicleta Honda CG de cor preta, e que ambos estavam de casaco cinza. Foram efetuadas buscas, porém os agentes não foram localizados no dia, sendo presos semanas depois pela DIC.