Foi encerrada na terça-feira, a instrução criminal da ação penal pública do caso da chacina da creche de Saudades, com a oitiva de oito testemunhas remanescentes, entre elas bombeiros e policiais civis que participaram da investigação. O réu, Fabiano Kipper Mai, permanece preso respondendo ao processo.

No final da audiência, a autoridade judiciária, contrariamente ao posicionamento do Ministério Público, deferiu a realização de exame de insanidade mental do acusado.

"O Ministério Público continua seu trabalho para que o processo seja levado a julgamento pelo Tribunal do Júri e que o réu seja responsabilizado pelos delitos que cometeu com o máximo de pena possível. Embora tenha sido deferido o exame médico legal, o processo está andando com rapidez e a perícia não preocupa o Ministério Público, pois nós continuamos com o entendimento de que o laudo oficial apenas confirmará que o acusado era plenamente são quando praticou esse verdadeiro massacre", opinou o promotor Douglas Dellazari.

Veja o posicionamento do MPSC e, ainda, entenda o trâmite do processo.

 

 


Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social do MPSC