Vídeo: Joinvilenses procuram por irmã adotada há mais de 40 anos em Jaraguá do Sul

Foto: Fábio Junkes/OCP News

Por: Claudio Costa

18/10/2023 - 16:10 - Atualizada em: 18/10/2023 - 16:41

Dois joinvilenses procuram pela irmã adotada em Jaraguá do Sul.

Mari Cristina e Valdecir Dias, de 57 e 67 anos, buscam a ajuda da comunidade jaraguaense para reencontrar Viviane Regina Dias, de 50.

Viviane foi colocada para adoção quando tinha apenas quatro anos e, desde então, vive longe da família biológica.

Eles chegaram a buscar por informações da irmã em cartórios, mas não tiveram sucesso.

Então, procuraram a reportagem do OCP para contar sobre a triste história de separação que já dura mais quatro décadas.

Mari Cristina e Valdecir contam que tiveram uma infância muito difícil.

José Torres e Senhorinha Torres Dias tiveram seis filhos, três deles já morreram.

José era cardiopata e acabou morrendo por causa da enfermidade.

Com a morte do patriarca, Senhoria se viu em mais dificuldades e precisou colocar os filhos para adoção.

“Meu pai morreu em 1977 e em 1978 uma amiga da minha mãe arrumou para a Ester, outra irmã minha já falecida, ficar com a família Zonta em Jaraguá do Sul. A Viviane acabou ficando com uns amigos da família Zonta. Depois, a Ester acabou voltando porque ela era mais grandinha e não conseguiram segurar ela. A Viviane era muito criancinha”, conta Valdecir.

Além do nome da irma e essas poucas informações, a família conseguiu uma foto de Viviane.

Foto: Arquivo Pessoal

Mari lembra que uma tia conseguiu essa foto há muitos anos e que levou até um programa de televisão.

Porém, o anúncio no veículo de comunicação em Joinville não se tornou eficaz.

Valdecir se casou e Mari foi enviada com sete anos para morar com um casal em São Paulo.

Com 14 anos, ela acabou conseguindo retornar para Joinville e voltou a conviver com a mãe e com Ester no bairro Iririú.

Então, Senhorinha conseguiu visitar Viviane e trouxe Mari para encontrar a irmã.

“A minha mãe me trouxe de trem até Jaraguá do Sul e desceu ali na estação. Procuramos a mãe de coração da Ester e ela nos levou até a Viviane e ela tinha 11 anos. A gente conversou com a mãe de coração da Vivi. Ela era morena, com os olhos puxadinhos, estava estudando e fazendo cursos. Era gente de bem e e que estava dando conforto para a minha irmã”, relembra.

Porém, a família não teve mais contato com Viviane e agora tenta mais uma vez reunir a família.

As informações podem ser repassados pelo telefone (47) 9 9758-6861, com Sheila.