A União Brasileira de Mulheres (UBM) programa mais um ato contra a cultura do estupro na tarde desta quarta-feira (25), no desfile de aniversário dos 142 anos de Jaraguá do Sul.

De acordo com a diretora cultural da UBM, Mariana Pires, a concentração acontece a partir das 14h, na rua Manoel Luiz da Silva (paralela ao posto Mime), no bairro Vila Nova.

As participantes vestirão preto em sinal de luto pelas vítimas de crimes sexuais na cidade. Elas vão desfilar para chamar a atenção da sociedade para as ocorrências de estupro ocorridas em Jaraguá do Sul.

“A ideia é chamar a atenção da sociedade a abrir uma discussão sobre o tema na cidade. Um homem pode não dar bola para a questão, mas a sua mãe ou irmã podem ser vítimas de um crime sexual”, comenta Mariana.

A manifestação está sendo programada para que seja realizada de forma pacífica e ordeira. As participantes do ato devem fazer todo o trajeto em silêncio.

Mariana destaca que essa é uma forma de mostrar para os jaraguaenses que a maior parte dos casos de violência sexual não chegam até a polícia. “É uma forma de se manifestar contra o silencio da população”, explica.

O manifesto também terá como alvo a falta de atenção do poder público para o problema. Segundo Mariana, há falta de profissionais na segurança pública especializados no atendimento de mulheres vítimas de crimes sexuais.

“A Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI), por exemplo, não está aberta a noite, quando há o maior número de casos de violência contra a mulher”, destaca.

Caso de estupro motivou protesto

Este é o segundo ato que a UBM promove para chamar atenção para a cultura do estupro em Jaraguá do Sul neste ano. O primeiro protesto ocorreu no dia 28 de junho, na praça Ângelo Piazera.

A manifestação teve como motivação um caso ocorrido no dia 21 de junho. A vítima foi uma jovem de 20 anos, lésbica, que foi vítima de abuso na casa de um amigo, enquanto estava desacordada.

A DPCAMI investiga o caso que envolve um homem de 32 anos. O delegado titular da Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso, Leandro Mioto, não quis dar muitos detalhes sobre o andamento da investigação.

Mas ele explicou para a reportagem do jornal O Correio do Povo que os depoimentos do suspeito, da vítima e de testemunhas já foram tomados pela equipe de investigação.

Outro caso de estupro também comoveu Jaraguá do Sul. Um homem de 25 anos foi preso acusado de estuprar as enteadas de 11 e 14 anos.

Enquanto mantinha relações sexuais com a garota mais velha, ele obrigava a mais nova a assistir. Conforme as investigações, a garota mais velha vinha sendo vítima dos abusos há cerca de quatro anos.

O padrasto foi preso e levado para a Presídio Regional de Jaraguá do Sul, onde aguarda o julgamento feito pela Justiça. As irmãs e a família são acompanhadas pela Conselho Tutelar e pelo serviço de apoio psicológico da Prefeitura de Jaraguá do Sul.

O delegado Leandro Mioto encaminhou o inquérito ao Ministério Público, que deve fomentar uma denúncia em breve. O caso segue em segredo de Justiça.

Quer receber as notícias no WhatsApp?