Trio preso pela polícia passeava com lanchas, armas e ‘supermaconha’ em SC

Divulgação/Polícia Civil

Por: Pedro Leal

13/01/2023 - 10:01 - Atualizada em: 13/01/2023 - 10:28

O juízo da Vara Criminal da Região Metropolitana da comarca da Capital converteu em preventivas as prisões em flagrante de três homens pelos crimes de porte ilegal de armas, tráfico de drogas, uso de documento falso, corrupção de menores e favorecimento pessoal.

Os envolvidos supostamente integram um grupo criminoso do Mato Grosso do Sul e buscavam ampliar a atuação na região sul do Estado. Um dos indiciados tinha dois mandados de prisão pelo crime de homicídio. Outro homem preso é natural do Paraguai.

A polícia civil recebera informações de que um grupo criminoso do Mato Grosso do Sul estaria em Santa Catarina. A investigação apontou a localização dos suspeitos e requereu mandados de busca e apreensão em razão das provas apresentadas.

O grupo gostava de passear de lancha com as drogas e as armas. No cumprimento do mandado, o homem com dois mandados de prisão em aberto apresentou documento de identidade falso. O mesmo documento teria sido utilizado em abordagem da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Na residência, em uma praia muito procurada no verão, os policiais apreenderam 271 gramas de skunk, droga conhecida como “supermaconha”, avaliados em R$ 12 mil.

Duas pistolas também foram apreendidas – uma de uso restrito das Forças Armadas -, assim como carregadores, munições, nove celulares e balança de precisão. Os acusados chegaram a Santa Catarina no dia 15 de dezembro de 2022.

“Aponta-se que os conduzidos supostamente são envolvidos com o tráfico de drogas no Estado do Mato Grosso do Sul e, inclusive, integram uma organização criminosa. Já no Estado de Santa Catarina, em razão da apreensão das drogas, há indicativos de que os conduzidos ainda permaneceram envolvidos com o tráfico nesta região, o que reforça a necessidade da prisão para garantir a ordem pública”, anotou o magistrado Elleston Lissandro Canali. O processo tramitará em segredo de justiça.​