Um trabalhador de 35 anos, casado, pai de dois filhos, natural do Maranhão, que trabalhava há mais de um ano em uma empresa da indústria plástica de São Ludgero, é o terceiro profissional do setor químico a morrer, vítima de acidente de trabalho, na região Sul catarinense, em um período de 55 dias.

O acidente ocorreu por volta de 15h de quarta-feira quando o trabalhador foi atingido por um silo, com mais de três metros de altura, que caiu da estrutura que o sustentava.

O equipamento era utilizado para processar material plástico reciclável, empregado na produção de telhas para construção civil.

“Ficamos sabendo do acidente nesta manhã (22) e ao chegarmos na empresa, por volta de 12h30, o local do ocorrido já tinha sido periciado pela Polícia Civil no dia anterior e o equipamento metálico já havia sido removido”, explica o presidente do Sindicato dos Químicos, Carlos de Cordes, o Dé.

A direção da empresa, logo após o acidente, interrompeu a produção em toda a planta e dispensou os cerca de 80 empregados até às 13h desta quinta-feira (22). Por volta de 12h30, Dé acompanhado de diretores do sindicato e assessoria jurídica se reuniu com o proprietário da empresa, assessorado por advogados, executivos e representante do sindicato patronal.

Em princípio a intenção da direção da empresa era retomar a produção hoje ainda (22), mas por proposição de Carlos de Cordes, todos os trabalhadores foram dispensados até segunda-feira (26), quando a produção será retomada.

“Os empregados, na maioria, estão chocados com o acidente e, felizmente, nossa proposta foi acatada”, disse o presidente do Sindicato.

Antes do deslocamento para São Ludgero, Carlos de Cordes fez contato com a gerente regional do Ministério do Trabalho e Previdência (MTP), Cássia Gava, comunicando o ocorrido e requerendo investigação no local do acidente, com urgência.

“É o terceiro trabalhador, da nossa categoria, morto em um curto espaço de tempo, estamos muito preocupados”, enfatizou.

Antes que os empregados fossem liberados, a direção da empresa preparou uma homenagem ao trabalhador morto, cujo corpo já foi removido para o Maranhão. Em seguida, o presidente Carlos de Cordes se reuniu com os trabalhadores, demonstrou a preocupação da diretoria e manifestou a solidariedade da diretoria à família da vítima e à categoria.