Na noite de sexta-feira (27), cinco homens foram presos em uma operação da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Joinville.

Os envolvidos são apontados como autores de pelo menos 12 sequestros de caminhoneiros. Os crimes ocorreram em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.

 

 

O esquema criminoso atraía caminhoneiros para realizarem fretes, usando anúncios falsos em nome de empresas conhecidas, em aplicativos de fretamento, com um bom pagamento.

Ao chegarem ao local combinado, os caminhoneiros acabavam rendidos e sequestrados, sendo mantidos em cativeiro por até três dias. Nesse tempo, os caminhões eram roubados e levados para a região de fronteira com o Paraguai.

Vítimas eram dopadas

Os criminosos ainda obrigavam os reféns a falarem que estavam bem para familiares, quando estes mantinham contato.

As vítimas também foram forçadas a ingerir substâncias conhecidas como "boa noite, Cinderela" para ficarem dopadas e não tentarem fugir ao serem libertadas em locais ermos.

Os mesmos indivíduos foram responsáveis por três sequestros em Itapema, no fim de março, por outros três em Joinville, no início de abril, e mais dois crimes na cidade de Tramandaí (RS), neste mês de maio.

Na quarta-feira (25), a Polícia Civil foi comunicada que outros quatro caminhoneiros tinham sido sequestrados em Florianópolis, na região da rodovia SC-401, no bairro Saco Grande. As vítimas acabaram liberadas durante a madrugada desta sexta-feira (27).

Investigação e prisão

A investigação realizada pela Polícia Civil identificou os autores dos crimes e localizou quatro deles em uma pousada em Itapema. Eles foram presos em flagrante, e os policiais apreenderam um revólver utilizado para render as vítimas.

O quinto homem foi preso em outra pousada, na praia de Canasvieiras, em Florianópolis, na mesma noite.

Os homens presos, com idades entre 24 anos e 34 anos, possuem antecedentes por crimes de roubo, homicídio, estelionato e receptação no Mato Grosso do Sul.

Eles foram autuados em flagrante por crimes de sequestro, roubo, porte ilegal de arma, organização criminosa e por expor a vida dos reféns a perigo, por conta das drogas que os forçaram a ingerir.

Alerta aos caminhoneiros

A Polícia Civil orienta aos caminhoneiros que tenham cuidado com anúncios de fretes, com pagamentos muito atrativos, e que, sendo vítima, procurem imediatamente qualquer Delegacia de Polícia.