Na última terça-feira (23), Daniel Haddad Bittencourt Fernandes Leal, suspeito de integrar a milícia comandada por Adriano da Nóbrega, foi preso em Joinville.

De acordo com o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Rio de Janeiro, Leal teria atuado como "laranja" do Capitão Adriano, morto em fevereiro de 2020.

O suspeito foi peso em uma ação conjunta com o Gaeco de Joinville. Em fevereiro de 2020, Leal já havia sido alvo de busca e apreensão. Na ocasião, foram apreendidos R$ 124,6 mil, que pertenceriam à organização criminosa.

Segundo a denúncia, foi identificado que, de 2017 até 9 de fevereiro de 2020, Rodrigo Bittencourt, Julia Lotufo, Carolina Nicolau, Daniel Haddad, Carla Fontan e Luiz Carlos Martins, sob as ordens de Adriano, atuaram na concessão de empréstimos a juros exorbitantes a terceiros (até de 22%).

Para isso, eles utilizariam de empresas de fachada, como a Cred Tech Negócios Financeiros LTDA, que, entre 1º de agosto de 2019 a 28 de abril de 2020, movimentou R$ 3.624.531.

Capitão Adriano

Considerado o chefe do "Escritório do Crime", Capitão Adriano foi morto na zona rural de Esplanada/BA, durante um confronto com policiais militares, no dia 9 de fevereiro de 2020.