Em 31 de agosto de 2020, a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Morro da Fumaça, instaurou inquérito policial para apurar vários crimes que poderiam estar sendo praticados na cidade de Morro da Fumaça por parte de determinado grupo, dentre eles: tráfico de drogas, receptação, furto de gado, crime ambiental, venda de armas, venda de produto veterinário falsificado, venda de produto impróprio para o consumo e organização criminosa, sendo que, a partir de maio de 2021, as investigações foram intensificadas.

Primeira fase

No dia 16 de setembro foram cumpridos, na operação denominada Hefesto, nove mandados de busca e apreensão e um de prisão, sendo que, então, a operação desdobrou-se em mais inquéritos, referente à prisão em flagrante pelos crimes de venda de produto impróprio para o consumo, crime ambiental e organização criminosa.

Nos dia 5 e 6 de outubro de 2021, sete pessoas foram presas preventivamente por participar de organização criminosa que comercializava carnes impróprias para o consumo, que a perícia da Polícia Federal concluiu ser de equino.

Dos outros inquéritos

Foi também instaurado em 2019 um inquérito policial que foi concluído em 1º de junho de 2021, referente a depósito para venda de medicamentos falsificados, deu causa a denúncia pelo Ministério Público. Ainda foi concluído inquérito policial que apurava o tráfico de drogas, iniciado por prisão em flagrante de duas pessoas em 16 de setembro de 2021, que apurava o crime de tráfico de drogas e associação para o tráfico, com denúncia do Ministério Público.

Segundo a Polícia Civil, há um outro inquérito, este para apurar usura pecuniária, instaurado em 22 de setembro em fase de conclusão, face a apreensão de diversos cheques no local, sendo que alguns titulares das contas disseram que as assinaturas constantes nos títulos não eram suas, razão pela qual a Polícia Civil está aguardando laudo da Polícia Científica.

"Por fim, há inquérito de lavagem de dinheiro, instaurado em 17 de setembro de 2021, tendo sido solicitado o relatório de informação financeiras ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) e tributária à Receita Federal. No decorrer da investigação de lavagem de dinheiro, constatou-se possível práticas de sonegações fiscais, objeto da diligência desta terça-feira”, informou a Polícia Civil.

As diligências da Receita visam apurar de forma técnica possíveis infrações administrativas tributárias. Participaram da operação: fiscais da Fazenda Estadual da Gerência Regional de Criciúma, com apoio operacional de policiais civis de Urussanga, Morro da Fumaça, Cocal do Sul e Orleans.