A segurança pública é um tema prioritário para a população, com dados alarmantes sendo divulgados diariamente. Segundo o Anuário de Segurança Pública, em 2017, foram registradas 63.880 mortes violentas intencionais, um crescimento de 2,9% em relação ao ano anterior. Na lista dos 20 países mais violentos do mundo, o Brasil ocupa cinco posições, o que reflete o estado atual em que o país se encontra.

Em Blumenau, segundo as estatísticas de violência armazenadas pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), entre 2013 e novembro de 2017, os números mostram que os crimes cresceram dez vezes mais que a população. Não à toa, durante as eleições do último ano, 70% dos governantes se comprometeram em investir na área de inteligência na segurança pública. E em Blumenau, isso já é realidade.

A empresa Portais Públicos lançou um software inédito no Brasil, o G-Seg, que atua como uma plataforma de inteligência voltada para os ambientes de segurança pública. O sistema cruza em tempo real os dados georreferenciados e as informações, otimizando os processos de investigação.

O software faz a conexão das informações registradas, por exemplo, quem está relacionado a qual fato ou ocorrência. Relata ainda quantas vezes um indivíduo já passou pelo sistema, quais os principais locais de atuação e quais outros indivíduos já atuaram em conjunto.

Projeto piloto em Blumenau

Os policiais militares do 10º Batalhão de Polícia Militar de Blumenau tiveram a oportunidade de conhecer e trabalhar com o sistema G-Seg. Há um ano, o sistema vem sendo testado na cidade, com o intuito de auxiliar o serviço policial militar no controle de informações referentes ao crime organizado.

O coronel Jefferson Schmidt explica que hoje existem facções criminosas atuantes em todas as regiões do estado, e o sistema dispõe de recursos para o mapeamento das ações dos criminosos, dando a oportunidade de rastrear a atividade destes indivíduos.

“O sistema auxilia no gerenciamento dos dados e informações, fornecendo, por exemplo, o georreferenciamento em tempo real dos indivíduos cadastrados e possivelmente o envolvimento em organização criminosa, exibindo no mapa a sua concentração por região e relacionando-os com as denúncias e ocorrências registradas, contribuindo com medidas proativas para o combate ao crime organizado”, afirma o coronel.

As principais ações do crime organizado em Blumenau hoje são tráfico de entorpecentes, porte ilegal de armas, assalto a banco, latrocínio, lavagem de dinheiro, roubo de cargas e contrabando.

O sistema permite mapear as ocorrências registradas em cada região da cidade, possibilitando identificar os indivíduos atuantes e suas respectivas facções, como também as posições de atuação dentro de cada organização criminosa.

*Informações da assessoria de imprensa

Quer receber as notícias no WhatsApp?