Na quarta-feira (23) uma moradora de Joaçaba (SC) divulgou que encontrou um corpo estranho dentro de uma embalagem de molho de tomate.

O caso foi divulgado pela rádio Catarinense. A mulher passou mal depois de consumir o produto, sem saber o que havia no interior do sachê.

A consumidora contou que na terça-feira (22) ela se sentiu mal durante a tarde e a noite. No dia seguinte, resolveu usar novamente o produto e, ao colocar o molho na panela, a abertura do sachê ficou trancada com algo.

Ela achou que se tratava de um pedaço de tomate, mas ao espremer saiu um pedaço de algo com aparência escura.

A mulher abriu a embalagem e encontrou um corpo estranho, que ela não conseguiu identificar o que era. Segundo revelou, parecia uma pele escura.

A consumidora soube do outro caso que aconteceu nesta semana, em que uma moradora de Concórdia também encontrou dentro de uma embalagem algo estranho.

“Fiquei mais preocupada, porque às vezes pode ser um lote com problema, que vai apresentar esse mesmo problema em várias embalagens e quantas pessoas que vão consumir esse produto e as consequências que pode gerar. Vejo a necessidade de maior controle e atenção dos órgãos competentes", disse a consumidora, para a rádio Catarinense.

Outros casos

Em Concórdia, o caso aconteceu na manhã de segunda-feira (21). A mulher foi usar o molho para fazer um lanche para os netos quando encontrou algo estranho dentro da embalagem. A consumidora não soube informar o que era.


Foto: Reprodução Rádio Aliança

Em Ipumirim, no Oeste catarinense, a Justiça de Santa Catarina manteve a condenação contra uma empresa que produz extrato de tomate, por ter comercializado um produto que continha uma lesma junto com a mistura.

Segundo do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), na informação divulgada em setembro, três pessoas da mesma família chegaram a consumir o produto.

Conforme informações TJSC, quando o produto foi usado pela segunda vez, um dos familiares teve dificuldade para retirar o conteúdo de dentro da embalagem, assim como aconteceu nos casos anteriores.

Ao apertar mais forte o recipiente, um corpo estranho semelhante a uma lesma foi expelido de dentro.

O TJSC informou que o laudo da perícia apontou que o corpo estranho tinha oito centímetros de comprimento, mais três de largura e, por isso, era maior do que a abertura realizada pela família na embalagem.

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger