*Com informações do jornal Notícias do Dia. Um sargento, um cabo e um soldado da Polícia Militar foram expulsos da corporação por terem cometido crime de tortura e abuso de autoridade contra um homem em Palhoça. A exclusão do sargento Vanderlei Bento, do cabo Edson Fernandes da Silva, e do soldado Reginaldo Domingos da Rosa foi publicado no Diário Oficial do Estado, na edição de 21 de setembro.  Eles foram condenados, individualmente, a mais de três anos de reclusão. O sargento também é réu no processo que apura a morte do advogado Roberto Luiz Caldart, em maio deste ano, em Palhoça. Os crimes que culminaram com a expulsão dos PMs ocorreram no dia 29 de junho de 2012, no bairro Junqueira. De acordo com os autos do processo, eles revistaram a casa de Dyonat da Mota Alves a procura de armas e drogas. Como não obtiveram êxito passaram a torturar e agredir o morador. Advogado O outro processo que o sargento responde com mais oito acusados -  a morte do advogado Roberto Luiz Caldart -  será revista na primeira audiência de instrução e julgamento no dia sete de novembro, no Fórum de Palhoça. O advogado foi morto no estrito dever da profissão. Ele foi chamado por um cliente para defendê-lo de uma reintegração de posse ilegal, na Barra do Aririú.   O construtor Rubi Castelo de Freitas, que se dizia dono do imóvel, levou oito policiais militares e um segurança particular para retomar o imóvel à força. Na ocasião, ocorreu uma briga generalizada e Caldert morreu.