Ocorre nesta quarta-feira (28) a quarta reunião da Rede Intersetorial de Enfrentamento à Violência contra a Mulher de Joinville, no auditório da Univille, às 8h30. O evento é aberto à comunidade.

O encontro vai reunir as 35 instituições que compõem a Rede, com o objetivo de discutir estratégias e ações de enfrentamento à violência contra a mulher, servindo como base para a criação de políticas públicas relacionadas ao tema. A intenção é oferecer condições para que essas vítimas consigam sair de situações de agressão com segurança e apoio.

De acordo com Ana Aparecida Pereira, coordenadora de Políticas Públicas para as Mulheres da Secretaria de Assistência Social de Joinville (SAS), uma das principais missões do grupo é criar ferramentas de emancipação para as mulheres.

“Muitas vezes a mulher permanece naquele lar violento porque não tem como se manter. Aceita se submeter a todos os tipos de violência porque tem filhos pequenos. Na Rede Intersetorial de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, buscamos parceiros que possam capacitar e ajudar as mulheres a ingressarem no mercado de trabalho”, explica Ana Aparecida.

Joinville foi o primeiro município em Santa Catarina a criar a Rede de Enfrentamento à Violência contra a Mulher. A iniciativa foi um dos resultados da adesão do município ao Pacto Estadual Maria da Penha e ao Termo de Compromisso de Adesão à Rede, assinado pelo prefeito Udo Döhler (MDB), em março.

Saiba quais os principais canais de apoio às mulheres vítimas de violência em Joinville

  • Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180;
  • Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI)
  • Polícia Civil (disque 181)
  • Polícia Militar (disque 190);
  • Serviços socioassistenciais da SAS, oferecidos pelas Unidades dos Centros de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) e dos Cras;
  • Atendimento jurídico nas Varas da Família e nos núcleos de atendimento jurídico das faculdades e universidades de Direito;
  • Casa Abrigo Viva Rosa atende provisoriamente mulheres em situação de risco de morte ou ameaças decorrentes de violência doméstica e familiar;
Com informações de assessoria de imprensa.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger