Kasuel Dutra, integrante de uma organização criminosa, responsável por planejar e executar um homem no bairro Cristo Redentor, foi condenado a 13 anos de reclusão, em regime inicialmente fechado, em julgamento pelo Tribunal do Júri no fórum de Criciúma. Os jurados seguiram o Ministério Público e consideram o réu culpado pelos crimes de homicídio duplamente qualificado e corrupção de menor.

No dia 6 de março de 2020, por volta das 20h10, Kasuel, também conhecido como "Mina 4", acompanhando de um adolescente, atraiu a vítima até o local, onde foi executada com pelo menos cinco disparos de arma de fogo na cabeça e costas, causando-lhe traumatismo cranioencefálico.

Segundo a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina, o motivo do crime foi a possível ligação da vítima com outra facção. Essa suspeita se originou numa postagem da vítima nas redes sociais. Na foto, o rapaz aparecia fazendo um símbolo com as mãos que representa um código do grupo criminoso rival.

Ainda segundo a ação penal do MPSC, o crime foi cometido numa viela, entre as ruas Curió e Tico-tico, em uma emboscada, e a vítima não pode prever o atentado brutal contra a sua vida.

Essas circunstâncias levaram à dupla qualificação do crime: homicídio cometido por motivo torpe e mediante recursos que dificultaram a defesa da vítima.

O Promotor de Justiça Caio Rothsahl Botelho, da 13ª Promotoria de Justiça de Criciúma, atuou perante o Júri.

Por já estar cumprindo prisão preventiva, conforme pedido anterior do MPSC, o réu não poderá recorrer em liberdade da condenação.