O 14º BPM (Batalhão de Polícia Militar) foi criado há exatos 20 anos. Cerca de um ano depois, ele foi denominado Batalhão Tenente-coronel Leônidas Cabral Herbster. Mas, afinal, quem foi o oficial que é patrono da unidade responsável pelo policiamento ostensivo de Jaraguá do Sul e região?

Para retratar um pouco dos feitos de Leônidas, a reportagem do OCP buscou a historiadora do Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul, Silvia Regina Toassi Kita. Segundo ela, o tenente-coronel foi um verdadeiro visionário e ajudou a organizar a cidade em uma época em que o município tinha pouca infraestrutura.

Leônidas Cabral Herbster nasceu em Maranguape, no Ceará, em 5 de junho de 1903 e se tornou militar em 1932. Antes de chegar em Jaraguá do Sul, ele ocupou cargos de delegado em Cruzeiro, Chapecó e Blumenau. Também foi prefeito de Caçador, onde também foi delegado.

Em janeiro de 1938, ele foi nomeado delegado da Comarca de Jaraguá do Sul. Em 4 fevereiro daquele ano, Leônidas foi nomeado pelo interventor Nereu Ramos para o cargo em comissão de prefeito de Jaraguá. Ele permaneceu na cidade até a sua morte em 20 de novembro 1969.

Foto: Claudio Costa/Arquivo

Nomeações

“Nessa época, existia o Estado Novo. Havia a nomeação para os interventores estaduais e o prefeito era um interventor do Estado na administração pública do município. O Leônidas tinha uma folha excelente no Exército. Ele atou como chefe de polícia na região de fronteira e na linha férrea, cargos de grande importância. Como eram regiões que estavam se desenvolvendo e haviam essas empresas de fora, precisava de alguém de confiança para cuidar do que era nosso. Ele tinha o respaldo do Estado e era uma pessoa de grande confiança do Nereu”, conta a historiadora Silvia Kita.

No momento em que Leônidas foi nomeado como prefeito, Jaraguá do Sul iniciava os primeiros passos na industrialização vinculada à agropecuária, com engenhos e laticínios. Jaraguá havia acabado de se emancipar de Joinville.

“Era uma cidade muito pequena e que carecia de investimentos urbanos. O Leônidas percebeu isso.Tanto é que as primeiros decretos dele se referem a construção de calçadas, de muros, instalações sanitárias. O início da urbanização da cidade foi feita pelo Leônidas Cabral Herbster”, explica Kita.

Jaraguá do Sul tinha uma importância na geração de impostos para o governo, mas era essencialmente agrícola, com poucos espaços urbanos. Após passar por municípios como Florianópolis, Itajaí e Blumenau, o prefeito acreditou que Jaraguá precisava ter uma cara de cidade.

“Ele também instituiu legislação e impostos para o aluguel e construção de casas. Ele adotou o plano de construção de Blumenau para Jaraguá. Ele também instituiu o horário do comércio e da indústria, pois na época cada um fazia o seu horário de acordo com a clientela e do tempo que tinha”, frisa.

Durante o período em que governou a cidade, no período da Segunda Guerra Mundial, Leônidas foi um ferrenho defensor nacional Ele pôs em prática a política de fechar espaços em que se usava o idioma alemão e o uso da língua estrangeira no município. Silvia destaca que ele estava seguindo uma política de Estado, ou seja, seguindo ordens do Palácio do Catete, sede do governo federal no Rio de Janeiro. Inclusive, ele prendeu pessoas que falavam a língua alemã na rua.

O militar conseguiu trazer recursos do Estado para a construção de diversos espaços públicos, que resistem ao tempo e estão até hoje de pé na cidade. Ele iniciou a construção a sede Prefeitura em 1939.

“O prédio foi inaugurado em outubro de 1941 com toda a pompa e circunstância. Naquele dia, ele inaugurou o busto do Emílio Carlos Jourdan feito pelo Fritz Alt. Ele angariou recursos entre as pessoas do município para fazer esse busto e trouxe membros da família para fazer a inauguração”, lembra.

Ações e obras

Entre as principais ações do governo de Leônidas, estão a a construção da ponte do Itapocuzinho, a criação das escolas Orestes Guimarães (1938), Duque de Caxias (1939) e 19 de Abril (1941). Ele também construiu a Rodoviária e a praça Leônidas Cabral Herbster, atual praça do Expedicionário, inauguradas em 1944. O militar também construiu 17 pontes, algumas delas cobertas de zinco e a sede da intendência de Hansa, a atual Prefeitura de Corupá.

“A Rodoviária é um marco para o município, pois começaram a circular ônibus urbanos e interurbanos. Aquilo virou um centro com um movimento muito grande de pessoas. Ele repaginou a avenida Independência, que ele renomeou como Getúlio Vargas, e interligou com a rua Presidente Epitácio Pessoas e outras que davam no Estrada Nova”, ressalta.

Em nove anos de governo, Leônidas foi responsável por mudanças significativas na cidade. Ele também foi vereador e se integrou com a vida social da cidade. No lugar da Escola Jaraguá, ele criou o Clube Aymoré, com fins desportivos e recreativos.

“No dia do falecimento dele, ele estava numa reunião do Lions Club. Ele era delegado e teve um infarto no meio da reunião. Ele foi uma pessoa visionária e Jaraguá deve muito a ele. Talvez outro prefeito que fosse colocado no lugar dele não tivesse feito tudo o que ele fez, talvez não tivesse a visão. Para Jaraguá, foi bom que ele fosse militar, porque o dever ele só com o governador e não tinha compromisso político com outras pessoas da região”, finaliza Kita.