A promoção de três delegados mexeu com a estrutura da Polícia Civil em Jaraguá do Sul. A titular da Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI), Milena de Fátima Rosa, e o delegado Evandro Luiz de Oliveira Abreu, que atua Delegacia de Polícia Civil da Comarca, foram promovidos na semana passada, juntamente com o delegado titular da Divisão de Investigação Criminal, Daniel Dias. Quer receber as notícias do OCP Online no WhatsApp? Clique aqui De acordo com o delegado Regional Adriano Spolaor, com a promoção, Milena e Evandro precisaram escolher vagas em outras cidades, compatíveis com o novo nível dentro da Polícia Civil. “O Evandro e a Milena vão para as cidades que escolheram no processo promocional. A Milena vai para a DPCAMI de Caçador e o Evandro vai para Abelardo Luz. Quanto ao delegado Daniel, nós estamos aguardando uma orientação da Delegacia-geral. Há a possibilidade que ele fique, porque a DIC é uma divisão especializada e os delegados que estão lotados nelas são escolhidos por designação, não por lotação”, comenta Spolaor. O delegado Daniel Dias revelou que pode ser transferido para São Bento do Sul, mas ressalta que deseja ficar em Jaraguá do Sul, principalmente pelo trabalho desenvolvido no primeiro ano na DIC, em que conseguiu aumentar o número de prisões por tráfico realizadas pela divisão em 2017. Ao todo, 26 pessoas foram presas pela equipe. “A minha vontade é ficar aqui. Não gostaria de fazer nenhuma mudança. Agora, que fiz um ano na DIC, é que as coisas estão ficando boas. Se não vou ter que deixar muita coisa encaminhada, muitas investigações pendentes”, comenta.
Delegado Daniel Dias revelou que pode ser transferido para São Bento do Sul | Foto Eduardo Montecino/OCP
Evandro Luiz de Oliveira Abreu atuou como chefe da Divisão de Investigação Criminal e atualmente presidia inquéritos diversos na Delegacia da Comarca. O delegado conta que foi muito bem recebido na cidade e que vai sentir falta dos colegas de trabalho. “É preciso recomeçar o trabalho. É preciso conhecer os problemas que a cidade possui para ter uma boa atuação”, destaca Evandro.
Evandro Luiz de Oliveira Abreu presidia inquéritos diversos na Delegacia da Comarca | Foto Eduardo Montecino/OCP
Com a saída dos dois delegados de Jaraguá do Sul, outros dois serão escalados para a cidade. Luís Carlos Gross vem de Pomerode para assumir uma posição no quadro da Delegacia de Comarca. O atual titular da Divisão de Furtos e Roubos, delegado Leandro Mioto, fica com o posto de Milena na DPCAMI em Jaraguá do Sul. No seu lugar, assume André Beckmann, que estava na delegacia de Guaramirim – deixando a vaga para Wanderson Alves Joana, que vem de Mafra. “A responsabilidade é muito grande, pois sabemos a importância dessa delegacia especializada, ainda mais com o trabalho que a delegada Milena fez ao longo desses seis anos. A gente pretende dar continuidade no trabalho de excelência que ela vinha desempenhando”, conta Mioto.
Delegado Leandro Mioto fica com o posto na DPCAMI em Jaraguá do Sul | Foto Eduardo Montecino/OCP
ASSOCIAÇÕES PEDIRAM PERMANÊNCIA DE MILENA NA DELEGACIA DA MULHER  Adriano Spolaor lamentou a saída da delegada Milena de Fátima Rosa do comando da DPCAMI. Segundo ele, várias associações fizeram pedidos para que ela continuasse no comando da delegacia especializada. “É uma delegada que tem um apelo social bastante forte. Apesar de ser o meu grande desejo a permanência dela, eu não tenho o poder para fazer com que ela não saia. Todos os delegados que foram promovidos têm que se dirigir para a comarca que escolheram. Não é possível, nesse caso, fazer uma exceção à regra”, ressalta o delegado regional. Em entrevista, Milena fala sobre a atuação em Jaraguá do Sul, que contabilizou no último ano 101 casos de estupro, 64 casos de envolvendo menores de 14 anos, 16 envolvendo adolescentes, 14 envolvendo mulheres e sete tentativas. Foi um caso de estupro a cada 3,6 dias. Também foram outros 623 casos de ameaça contra a mulher. OCP: Quais são as vantagens e desvantagens em trabalhar a questão da mulher, do idoso e da criança na cidade?  Milena: A DPCAMI tem um contato muito próximo com o Conselho Tutelar, com o Judiciário, o Ministério Público, com a defensoria e a OAB, com os Centros de Referência de Assistência Social. Eu também já fui conselheira da mulher, já fizemos parte do conselho do idoso. Essa articulação ajuda muito no trabalho da delegacia. Mas a maior dificuldade ainda é saber que tem muitas pessoas que sofrem violência e não têm coragem de vir até a delegacia denunciar. Outra dificuldade é a falta de efetivo de policiais civis, principalmente de escrivães. OCP: Como é trabalhar com uma questão tão delicada como é a violência cometida contra a mulher e a criança?  Milena: É triste saber que essas situações de violência ocorrem, em especial a violência contra a mulher em ambiente doméstico. A gente sabe que as crianças que presenciam esses fatos acabam sendo prejudicadas psicologicamente. Ainda temos os crimes de estupro de vulneráveis, uma outra situação muito delicada que a gente enfrenta. A parte positiva é que, através da legislação, a gente pode fazer algo por essas pessoas, principalmente afastar o agressor das vítimas. OCP: Quais são os casos que mais marcaram a sua passagem na DPCAMI?  Milena: Os casos que mais marcam são quando há o óbito da vítima, situações de violência doméstica em que o homem acaba ceifando a vida da mulher. Também há situações, como a da semana passada, em que em um curto espaço de tempo conseguimos a prisão preventiva do autor de crime sexual.