O delegado responsável pelo caso do taxista de Guaramirim, permanece esperando que a prisão preventiva e a internação dos envolvidos no assassinato seja expedida pelo judiciário.

Ele entendeu que não houve flagrante pelo tempo decorrido desde o crime até a prisão, mas, solicitou as prisões preventivas.

Nossa equipe conversou com o promotor que acompanha o caso, Marcelo Cota, que já adiantou que se manifestará favorável às prisões e internações. Na sequência o juiz deve assinar e os mandados serem cumpridos ainda na delegacia.

Caso o MP e o Juiz não fossem favoráveis a prisão, eles poderiam acabar sendo soltos.

Um grupo de taxistas já se mobiliza em frente à delegacia onde os indivíduos estão sendo ouvidos.

 

Os tres foram presos pela PM na última noite.