Mais de 250 trabalhadores e 81 máquinas trabalham neste momento para diminuir os impactos do alto volume de chuva que caiu nas últimas horas em Florianópolis. De acordo com os órgãos oficiais, foram 393 mm de água nas últimas 96 horas e 130mm nas últimas 12 horas registrados na cidade, principalmente na região central.

Com as mais de 30 ocorrências, entre deslizamentos e alagamentos de ruas, incluindo 2 óbitos por soterramento, o prefeito Gean Loureiro decretou situação de emergência na tarde deste domingo (24).

A área técnica da secretaria de Infraestrutura do município avalia contratar novos equipamentos para as próximas horas. O executivo também está abrindo credenciamento para que outras empresas de coleta de lixo que queiram assumir parte do recolhimento na cidade possam iniciar imediatamente, no mesmo valor pago para a empresa atual.

A Prefeitura quer retomar 100% da coleta na cidade nos próximos dias. Isso porque, apesar de decisão judicial obrigando trabalhadores da Comcap a retomarem o trabalho.

Ao todo, há 2 pessoas desabrigadas na cidade, que estão em um hotel pago pela Prefeitura. Além disso, 20 pessoas estão desalojadas, por recomendação da defesa civil, abrigadas em casas de parentes ou amigos.

O município também está preparando, através da Secretaria de Assistência Social e rede de voluntários Somar Floripa, um abrigo com capacidade para mais 50 pessoas desabrigadas, caso seja necessário.

Com um volume de água considerado histórico para tão curto período de tempo, as equipes da Prefeitura de Florianópolis estão priorizando riscos de desabamentos e casas que possam estar invadidas pela água.

Para isso, mais de 10 caminhões hidrojatos trabalham para retirar a água nas ruas. Mesmo aquelas que possuem boa drenagem, acabam não dando vazão pela quantidade de água que cai.

A Guarda Municipal também segue na principais avenidas da cidade auxiliando no trânsito. A Ponte Hercílio Luz foi liberada para tráfego neste domingo, por conta de bolsões de água formados próximos às pontes Colombo Salles e Pedro Ivo.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp