A Polícia Civil, através da Delegacia de Polícia da Comarca de Orleans, concluiu o inquérito policial que identificou a atuação de um grupo criminoso que praticava estelionatos em todo o Sul do país.

No total, 11 pessoas foram indiciadas.

Uma delas morreu na prisão no curso das investigações.

De acordo com o delegado Ulisses Gabriel, o golpe consistia na aquisição de empresas inativas, mas que possuíam CNPJ com datas de inscrição antigas, e que tinham laranjas como sócios administradores.

Na sequência, o grupo adquiria cheques, a empresa recebia em seu caixa, endossava e, posteriormente, esses cheques eram usados na negociação de máquinas, equipamentos e objetos.

Golpes

"Um dos golpes aconteceu em Orleans, em outubro de 2018. Uma empresa da cidade vendeu um trator de esteira, marca Komat’su D51Ex-22, ano 2010, para uma empresa, através do sócio administrador. Na época o equipamento foi vendido por R$ 240 mil, sendo R$ 50 mil em espécie e mais cinco parcelas de R$ 39.542,95. No entanto, os cheques pertenciam a pessoa sem condições financeiras e usuários que possuíam CNPJ com datas de inscrição antigas. Uma pessoa foi presa em Orleans com outras 11. Um deles morreu no Presídio de Jaraguá do Sul", explica o delegado.

O grupo é suspeito de aplicar o mesmo golpe em várias cidades do Sul do país.

Em razão do crime em Orleans, a Polícia Civil local identificou parte dos membros do grupo, tendo a 5ª Delegacia de Polícia da Capital, coordenada pelo delegado Attilio Guaspari, identificado outro parte do grupo e diversos membros acabaram por ter prisões preventivas decretadas pelo Juiz da Vara de Organizações Criminais da Capital.

Os indiciamentos foram por estelionato e organização criminosa.