A Polícia Federal divulgou nesta sexta-feira (9) uma nota à imprensa sobre o acidente com o helicóptero modelo 206B Jet Ranger III, da marca Bell, fabricado em 2010, da empresa Avalon Táxi Aéreo. A aeronave caiu no bairro Paranaguamirim, em Joinville, na tarde de quinta-feira, matando três pessoas e deixando um ferido. O piloto da aeronave disparou um alerta característico de sequestro à torre de comando, disse a PF.

Quer receber as notícias do Jornal de Joinville? Basta clicar aqui

As informações iniciais revelam que a aeronave perdeu altitude repentinamente e caiu próximo ao local de uma barreira policial que era realizada no bairro. "Imediatamente, policiais militares que atuavam na barreira correram para o ponto da queda e, ao chegarem, observaram duas pessoas que haviam acabado de retirar do interior da aeronave um homem com vida". Logo em seguida, a aeronave explodiu e incendiou completamente. Duas armas de fogo, uma entre os destroços e outra nas proximidades foram encontradas pelos policiais.

VEJA MAIS: Câmera registra momento em que helicóptero sequestrado cai em Joinville

https://www.youtube.com/watch?v=rVbSVhynnRk

A Polícia Federal assumiu o caso por se tratar de crime cometido a bordo de aeronave em voo, de competência federal. O voo teria sido desviado de sua rota intencionalmente, disse a PF. Diante dos indícios de atividade criminosa que foram observados, o sobrevivente, de 18 anos de idade, natural de Joinville, com antecedentes policiais, foi preso em flagrante pela prática dos crimes de exposição de aeronave a perigo, com o agravante da queda e ocorrência de mortes, além do porte ilegal de arma de fogo de uso restrito.

As penas máximas somadas podem chegar a 30 anos de prisão, sendo que as "tipificações legais podem vir a ser complementadas durante o curso do inquérito policial instaurado para completa elucidação do caso", explica a PF. O suspeito se encontra internado no hospital São José sob forte escolta policial. O estado dele é considerado delicado, segundo a assessoria do hospital.

Com o local do acidente isolado, a perícia foi realizada na manhã desta sexta-feira (9) por peritos da Polícia Federal (PF), Instituto Geral de Perícias (IGP) e Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

Queda foi na servidão Adenilda Roeder que fica há 2,5 quilômetros do Presídio Regional de Joinville | Foto Windson Prado/Jornal de Joinville

Segundo a PF, a empresa Avalon Táxi Aéreo presta serviços de fretamento para voos panorâmicos na região do Parque Beto Carrero World. Funcionários da empresa informaram que, na véspera do acidente, dois indivíduos haviam contratado um voo de 50 minutos, cujo plano era decolar de Penha, sobrevoar uma área que seria de propriedade deles em Joinville e retornar para Penha. Ainda de acordo com a empresa, o valor do voo foi de R$ 3,1 mil, pagos em dinheiro.

Ainda conforme a PF, a motivação da ação delituosa, apesar de já existirem fortes indicativos, somente será divulgada com o aprofundamento da apuração.

Três mortos e um sobrevivente 

O homem que sobreviveu, Daniel da Silva, 18 anos, foi ajudado por populares que conseguiram retirá-lo da aeronave instantes antes dela explodir. Ele recebeu os primeiros socorros e foi conduzido pela equipe do helicóptero Águia da Polícia Militar ao hospital municipal São José. Ele teve várias queimaduras de segundo e terceiro grau nos braços, pernas e face.

Daniel morava no bairro Jarivatuba, em Joinville. Segundo a polícia, no início de fevereiro ele havia sido preso por tráfico de drogas e dano a patrimônio no bairro Paranaguamirim. No dia seguinte, foi solto em audiência de custódia e teve direito à liberdade provisória mediante medidas cautelares. Na adolescência ele foi conduzido à delegacia por atos infracionais como tráfico e posse de drogas.

Daniel foi resgatado com vida e conduzido ao Hospital Municipal São José | Foto Redes sociais
O piloto Antônio Mário Franco Aguiar, de 57 anos, o auxiliar Bruno Siqueira, de 20 anos, e um dos suspeitos de participar do sequestro - ainda não foi identificado - morreram carbonizados. A identificação das vítimas deve ocorrer através da análise da arcada dentária.
Piloto Antônio Mário Franco Aguiar e o auxiliar de voo Bruno Siqueira, 20 anos | Foto Montagem/Reprodução
Em nota, a empresa Avalon Táxi Aéreo disse que lamenta profundamente a perda de dois amigos e excelentes profissionais. "Estamos nesse momento prestando completo e irrestrito apoio aos familiares enlutados. Também estamos prestando auxílio à investigação que, certamente desvendará as circunstâncias desse trágico acontecimento". LEIA TAMBÉM: [VÍDEO] Plano quase perfeito para resgatar preso em Joinville termina em tragédia após queda de helicóptero