A Polícia Civil, por intermédio da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Laguna, localizou, após inúmeras diligências investigativas, o corpo de Ademir Bento de Matos, de 54 anos, morador de Imbituba, que estava desaparecido desde 1º de janeiro.

No dia, familiares da vítima registraram boletim de ocorrência na Delegacia de Polícia da Comarca de Imbituba noticiando o desaparecimento. Após investigações preliminares, pelos policiais civis daquela delegacia, constatou-se que Ademir teria vindo para Laguna ainda naquela madrugada. Diante disso, as peças investigativas foram encaminhadas à DIC de Laguna, para dar continuidade ao trabalho de investigação.

Segundo a Polícia Civil, após diversas diligências investigativas, de forma ininterrupta, por mais de três semanas, foi permitido aferir que Ademir teria vindo de carro para Laguna, na companhia de alguns outros homens, tendo-os todos, naquela ocasião, ingerido drogas e bebidas alcoólicas.

Ainda, apurou-se que teriam frequentado um luau na Praia do Gi, último ponto em que a vítima teria sido vista com vida.

Prisões

A partir de então e, diante da confrontação de versões, somando-se com outras medidas cautelares representadas, a equipe de policiais da DIC deflagrou várias operações, tendo ao longo delas efetivado a prisão de cinco indivíduos.

Nesta sexta-feira, em mais uma operação policial, o corpo de Ademir foi encontrado nas imediações da Praia do Gi, proximidades do Sítio Paraíso, em Laguna, já em estado avançado de decomposição.

De acordo com os investigados, a vítima teria sido enforcada com uma corda por um dos ocupantes do veículo. E que, após isso, teriam arremessado o corpo em um pequeno valo com água, nas proximidades da própria Estrada Geral da Praia do Gi, tudo com vistas a esconder o cadáver.

Latrocínio

Segundo o delegado Bruno Fernandes, titular da DIC de Laguna e coordenador das investigações, a conclusão do Inquérito Policial encaminha-se para, em tese, configurar os crimes de latrocínio consumado e ocultação de cadáver, já que, ao que se apurou, o dinheiro que estaria no bolso das vestes da vítima, bem como um aparelho de telefone celular, haviam sido subtraídos.

"Após interrogatório dos suspeitos e na acareação, três deles confessaram o crime. As investigações prosseguem e serão encerradas no prazo legal de 30 dias", concluiu a autoridade policial.

 

Foto: Elvis Palma

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp