A Polícia Civil cumpriu na tarde desta quarta-feira o mandado de prisão temporária contra o principal suspeito de envolvimento no latrocínio do professor Hélio Antonio Pizzollo, de 66 anos, crime ocorrido no início deste mês na cidade de Cocal do Sul.

A motivação, segundo a Polícia Civil, teria sido um desacerto no pagamento de um serviço que o suspeito teria feito na casa da vítima. O corpo foi encontrado no apartamento da vítima no dia 14 de abril com vários golpes a faca no pescoço.

Em interrogatório, o preso disse que fora contratado para fazer serviços na residência, estipulando um valor e o prazo para conclusão, que seria de sete dias. Como ele terminou antes, cobrou pelo serviço e o professor disse que não iria pagar o valor total. Os dois entraram em luta corporal quando o suspeito desferiu golpes no pescoço da vítima armado com uma faca.

No laudo pericial, a vítima teria ido a óbito entre o dia 10 e 12 de abril. Nas investigações, a Polícia Civil buscou imagens nas câmeras de monitoramento nas imediações e locais próximos ao apartamento do professor e descobriu que o suspeito chegou no imóvel na manhã do dia 10 de abril, por volta das 10h, e lá permaneceu até as 21h.

Polícia Civil apresentou resultado da investigação em entrevista coletiva à imprensa / Foto: Divulgação PC

A Polícia Civil também descobriu que a vítima teve vários bens roubados, como um micro-ondas, um televisor, o telefone celular e a carteira pessoal estava sem dinheiro. O suspeito tem passagens no RS por roubos (um qualificado por resultar lesão corporal grave), furtos, lesões corporais, homicídio, formação de quadrilha, entre outros.

Já em Santa Catarina, possui passagens por ameaça, estelionato, lesões corporais e furtos.

O delegado Ulisses Gabriel aguarda a conclusão dos laudos periciais e irá representar pela prisão preventiva do suspeito.