A Polícia Civil investiga uma suspeita de estupro de vulnerável ocorrido no domingo (5), no bairro Nereu Ramos, em Jaraguá do Sul. A ocorrência foi registrada pela Polícia Militar à 1h27. A mãe relatou aos policiais militares que a filha de seis anos mudou de comportamento nos últimos dias. Ao realizar a higiene pessoal da criança, a garota reclamou que estava com dores nas partes íntimas. De acordo com as PM, a mãe perguntou ao marido o que aconteceu e o mesmo se mostrou irritado. A mulher disse ao marido que levaria a menina para um hospital, mas o marido não quis ir junto. Então, ela levou a filha para o Hospital Santo Antônio, em Guaramirim, pois achou que as unidades em Jaraguá do Sul poderiam estar cheias. O conselheiro tutelar de plantão disse aos policiais militares que conversou com o médico que atendeu a ocorrência na unidade de saúde. O profissional afirmou que havia indícios de contato recente na região íntima. A guarnição levou a mãe e a criança para a Delegacia de Polícia Civil e um exame de corpo de delito foi feito. Segundo a delegada Milena Fátima Rosa, titular da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI), disse que uma psicóloga policial já conversou com a criança. O laudo do exame feito pelo Instituto Geral de Perícias (IGP) na criança não foi conclusivo, ou seja, não há vestígios de abuso sexual. “Isso não impede que tenha havido o estupro de incapaz. Não só a conjunção carnal é levada em conta. Qualquer ato libidinoso cometido com uma criança é considerado estupro de incapaz”, ressalta Milena. De acordo com dados da DPCAMI, foram registrados 50 casos de estupro de incapaz em Jaraguá do Sul até o final de outubro. Em 2016, 76 boletins de ocorrência de estupro de incapaz foram feitos na cidade.