A assessoria de imprensa da Polícia Civil de Joinville desmentiu nesta segunda-feira (5) a fake news (notícia falsa) envolvendo o caso AME Jonatas. Desde o fim de semana, a falsa informação de que Aline e Renato Openkoski, pais do pequeno Jonatas, estariam com mandado de prisão preventiva em aberto circulou nas redes sociais e grupos do WhatsApp. A Polícia Civil afirma que se trata de fake news. Quer receber as reportagens do Jornal de Joinville no WhatsApp? Basta clicar aqui O casal vem sendo investigado desde o ano passado pelo Ministério Público e desde fevereiro pela Polícia Civil de Joinville. Renato e Aline são suspeitos de desviarem os recursos arrecadados na campanha AME Jonatas. Se a fraude ficar comprovada, eles poderão responder aos crimes de falsidade ideológica e apropriação indébita de recursos da pessoa com deficiência. No último dia 1º, agentes da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso de Joinville estiveram na residência do casal para cumprir um mandado de busca e apreensão. Objetos, documentos e veículos foram recolhidos pela polícia. Nesta semana, a investigação continua com a análise dos documentos apreendidos na casa e o depoimento dos envolvidos no caso. O que restou dos recursos arrecadados na campanha também seguem bloqueados pela Justiça, e só são liberados ao casal mediante comprovação de que os valores serão empregados no tratamento do menino, que sofre de Atrofia Muscular Espinhal. Nesta segunda-feira, o Jornal de Joinville tentou mais uma vez contato com o casal, mas os telefones seguem desligados. Leia mais: [VÍDEO] Polícia Civil diz que pais de Jonatas levavam vida confortável Polícia Civil divulga imagens dos bens apreendidos na casa dos pais do menino Jonatas Terça-feira será dia decisivo para o caso AME Jonatas Justiça libera parte do dinheiro bloqueado e Jonatas recebe segunda dose de medicamento importado Bloqueio das contas pode prejudicar tratamento de Jonatas, alega a família A verdade sobre o caso Jonatas Bebê Jonatas começa tratamento em hospital de Jaraguá do Sul. Saiba como ajudá-lo