A Operação Norte Seguro realizada pela Polícia Civil encerrou no início da tarde desta quarta-feira (14) contabilizando o cumprimento de 41 mandados de busca e apreensão e outros 80 mandados de prisão temporária. Destes restaram 55 cumpridos sendo que 35 mandados eram criminosos que estão no sistema prisional e outros 20 foram presos em flagrante e 17 são considerados foragidos. Ainda há oito mandados de prisão contra lideranças de uma facção criminosa sendo cumpridos no Paraná e em São Paulo.
A Operação Norte Seguro envolveu cerca de 230 policiais civis catarinenses e ocorreu nos municípios de Florianópolis, Joinville e Navegantes.  O Secretário de Segurança Pública, Alceu de Oliveira Pinto Junior, disse que a Operação Norte Seguro é marco na desarticulação do crime organizado. “Vamos potencializar os esforços das Inteligências de todas as instituições de segurança pública para desarticular estas organizações criminosas”, destacou Alceu.
O Diretor da Deic Anselmo Cruz disse a Operação Norte Seguro é o desdobramento de uma série de ações que vem acontecendo nos últimos meses em Santa Catarina. A investigação, a identificação de lideranças e o recolhimento de provas estão permitindo a punição severa de criminosos. “Há relatos de integrantes de facção que estão frustrados porque estavam cumprindo pena por um crime mais simples, acabaram ingressando na facção e estão respondendo por associação criminosa que tem uma pena muito mais significativa”, observou Anselmo.
O Delegado da Draco Antônio Seixas Joca destacou que os mandados de prisão temporária são por tráfico, associação ao tráfico e organização criminosa. Ele lembrou que a Norte Seguro complementa uma grande ação realizada no Morro do Mosquito – no Norte da Ilha – quando foram apreendidas 20 armas de fogo e localizados dois corpos. “O compartilhamento de informação da Polícia Civil com o Deap nos permite identificar lideranças reclusas no sistema prisional. Hoje por exemplo foi apreendido 16 celulares na Unidade prisional da Joinville,” informou o Delegado Joca.
O secretário adjunto de Justiça e Cidadania Leandro Lima assinalou que este processo de investigação capitaneado pela Polícia Civil é o caminho para desalojar as facções criminosas de Santa Catarina.