A Polícia Civil de Massaranduba, continua a investigar a morte de uma criança de dois anos e sete meses, ocorrida no dia 21 de outubro de ano passado, em Massaranduba. As investigações começaram após a polícia desconfiar da morte da criança, que não teve uma causa definida. Não bastasse a morte prematura da criança por causas indefinidas, também chamou a atenção o fato de mais duas pessoas da mesma família, a mãe e a avó da criança, terem morrido no mesmo ano, também por causas aparentemente naturais. As três mulheres morreram em sequência: em abril a mãe, em agosto a avó e em outubro a filha. A Polícia Civil instaurou inquérito que já está bastante avançado para verificar o que realmente teria ocorrido. Muitas histórias começaram a circular após a morte da família, sendo que todas, apontavam o para o pai, um ex-funcionário de duas funerárias, como suposto autor. O homem por sua vez espontaneamente foi depor na companhia de seu advogado, e negou qualquer acusação se colocando à disposição da justiça até o ano passado, diferente desse ano, onde segundo amigos e conhecidos, o homem teria desaparecido. O advogado do homem, Flavio Laube, preferiu ainda não se pronunciar sobre o caso. O delegado responsável, André Beckman de Guaramirim, disse que o caso é complexo. “As investigações continuam. É um fato complexo que demanda análise profunda de profissionais das mais diversas áreas, o que requer tempo para conclusão dos trabalhos” afirmou Beckman. O caso segue em sigilo policial e os laudos ainda não foram concluídos.