Março começou de forma bastante agitada para a família do pequeno Jonatas Openkoski. Nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (1), equipes da Polícia Civil estiveram na casa dos pais do menino, Renato e Aline Openkoski, para cumprirem mandados de busca e apreensão de veículo e equipamentos da residência.
Foto Polícia Civil/Divulgação
Foto Polícia Civil/Divulgação
Foto Polícia Civil/Divulgação
Quer receber as notícias do Jornal de Joinville pelo WhatsApp? Basta clicar aqui
A ação foi comandada pela Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso, de Joinville, que investiga supostos crimes de apropriação indébita que teriam sido cometidos por Aline e Renato. De acordo com MPSC (Ministério Público de Santa Catarina), o casal pode ter desviado recursos arrecadados na campanha AME Jonatas para benefícios próprios e, por isso, pediu que a Polícia Civil investigue o casal.
De acordo com MPSC (Ministério Público de Santa Catarina), o casal pode ter desviado recursos arrecadados na campanha AME Jonatas | Foto Arquivo
O dinheiro da campanha segue bloqueado pela Justiça que tem liberado quantias específicas para o tratamento do menino, diante da apresentação de notas fiscais. Desde o começo do ano cerca de R$ 30 mil já foram liberados para o tratamento. Nos últimos dias, Renato e Aline, pediram judicialmente a liberação de cerca de R$ 100 mil. O pedido segue em análise pelo poder Judiciário.
Busca e apreensão
O mandado de busca e apreensão contra a família Openkoski foi autorizado pela Justiça na tarde desta quarta-feira (28). Às 6h30 desta quinta, dois delegados, sete agentes de polícia e uma psicóloga da Polícia Civil estiveram na residência que fica no bairro Anita Garibaldi. Por lá foram apreendidos uma moto, um carro, celulares, joias e documentos que devem passar por perícias.
Foto Polícia Civil/Divulgação
Foto Polícia Civil/Divulgação
Foto Polícia Civil/Divulgação
Na semana passada, o juiz da 4ª Vara da Infância e da Juventude, do Fórum de Joinville, Márcio Renê da Rocha, retirou o segredo de Justiça do processo, por entender que, como o dinheiro envolvido foi doado pela população, o povo também tem o direito de conferir a prestação de contas de como os recursos estão sendo administrados no tratamento do pequeno Jonatas.
Na tarde desta quinta a equipe de reportagem do Jornal de Joinville tentou contato com a família, mas ninguém foi encontrado para falar sobre o caso. A delegada que comanda as investigações da Polícia Civil, Georgia Bastos, também preferiu não dar declarações neste momento.
Doença, campanha e tratamento
  • Jonatas foi diagnosticado logo após nascer com AME (Atrofia Muscular Espinhal). A doença que causa afeta o sistema neurológico e muscular, não tem cura;
  • Um tratamento, a base de medicamento importado pode dar mais qualidade de vida aos portadores de AME, e reduzir o avanço da enfermidade;
  • O remédio chama-se Spinraza e custa R$350 mil cada dose. O menino deve utilizar a medicação periodicamente pelo resto da vida;
  • Sem dinheiro para comprar o medicamento, a família de Jonatas lançou a campanha AME Jonatas. Em pouco mais de três meses, mais de R$ 3 milhões foram arrecadados. Dinheiro necessário para o início do tratamento e a compra de seis primeiras doses da medicação importada;
  • Em janeiro, o menino começou a receber a medicação. Até esta terça-feira (20), três doses do Spinraza já foram aplicadas no Jonatas. A quarta aplicação deve ser feita no início de março;
  • Depois disso, Jon deve fazer um tratamento constante, com aplicações de quatro em quatro meses.
Leia mais:
Terça-feira será dia decisivo para o caso AME Jonatas
Justiça libera parte do dinheiro bloqueado e Jonatas recebe segunda dose de medicamento importado
Bloqueio das contas pode prejudicar tratamento de Jonatas, alega a família
A verdade sobre o caso Jonatas
Bebê Jonatas começa tratamento em hospital de Jaraguá do Sul. Saiba como ajudá-lo